Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Comer só uma vez ao dia pode melhorar o envelhecimento dos cachorros

Estudo sugere que restringir o número de vezes em que o animal se alimenta tem impacto positivo em sua saúde.

Por Leo Caparroz 5 Maio 2022, 17h51

Ninguém está imune ao tempo. Até mesmo nossos mais fiéis companheiros, os cachorros, ficam “idosos” um dia. Apesar de se saber pouco sobre o lado mental do envelhecimento canino, é bem evidente quando o animalzinho já não tem a mesma disposição física de sempre.

Motivados pelo desejo de aumentar o tempo de vida saudável dos cães, cientistas planejaram um estudo da relação entre o bem-estar do animal e a frequência com que ele comia. A pesquisa concluiu que cães que são alimentados mais vezes ao dia apresentam resultados piores em exames de saúde. Envelhecem melhor aqueles que comem uma vez só.

Os dados foram fornecidos pelo Dog Aging Project, um estudo de longo prazo da Universidade de Washington que coleta informações sobre cachorros fornecidas pelos próprios donos, e que busca compreender mais sobre como eles envelhecem.

Os pesquisadores analisaram as rotinas de alimentação de mais de 10 mil cães, de diferentes raças e idades, comparando com os relatórios de saúde correspondentes. Os companheiros humanos preenchiam formulários com os horários de refeição, experiências e comportamento do animal – e até coletavam amostras de saliva em alguns casos. 

Desta forma, os cientistas encontraram relações entre a frequência de alimentação e chances do desenvolvimento de doenças do fígado, pâncreas e rins, ortopédicas, urinárias e dentárias. Também associaram com a ocorrência de disfunção cognitiva, uma condição que aparece com a idade e está ligada a alterações neurodegenerativas no cérebro, similares ao Alzheimer em humanos.

Hoje a recomendação é o dobro de vezes

Mesmo otimistas em relação às descobertas, os pesquisadores ressaltam que ainda há algumas lacunas na pesquisa. Em seu perfil do Twitter, Emily Bray, a principal colaboradora do estudo, destacou a falta de causalidade. Apenas pela análise de dados não é possível identificar a exata biologia por trás do observado. 

“Vemos isso como um gerador de hipótese intrigante em nosso primeiro passo, mas precisamos de mais pesquisa”, comentou na rede social. A equipe avisa que, atualmente, o estudo ainda não é uma recomendação de dieta para o pet. “Apesar disso, se apoiado por estudos futuros, seria prudente revisar a recomendação predominante de alimentar cães adultos duas vezes ao dia.” Mesmo que seu cãozinho abane o rabo pedindo mais, talvez seja melhor resistir. Será para o bem dele.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês