Clique e assine a partir de 8,90/mês

Domingo de carnaval terá raro evento astronômico no Brasil

Fenômeno acontecerá perto do meio-dia; veja como observá-lo

Por Lucas Agrela, de Exame.com - Atualizado em 23 fev 2017, 19h18 - Publicado em 22 fev 2017, 19h10

Além de desfiles, blocos de rua e festas, o domingo de carnaval deste ano será marcado por mais um evento: o 1º eclipse solar anular do ano. O fenômeno, raro devido à sua estreita faixa de observação, poderá ser visto em boa parte do Brasil e deve durar pouco mais de uma hora.

A passagem da lua na frente do sol acontecerá a partir das 10h45 e deve terminar às 12h30. No Brasil, quem mora nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste terá melhor visualização do evento. No Nordeste, os estados mais próximos do Sudeste, como a Bahia, poderão também acompanhar. O fenômeno, porém, não será tão espetacular assim no país. Aqui só uma parte bem pequena do Sol irá “desaparecer”.

Este eclipse será do tipo anular. Eles acontecem quando o disco da lua não surge com tamanho suficiente para encobrir todo o sol. O anel de fogo só será visto por completo por quem estiver no sul da Argentina e do Chile, bem como na região centro-sul da África e partes específicas do Atlântico.

“Esse tipo de evento é raro por incidir em faixas muito estreitas do planeta. Todo ano temos ao menos um eclipse solar anular, mas como ele é visto em poucos lugares, tem gente que nunca o viu”, disse a pesquisadora Josina Nascimento, da Coordenação de Astronomia e Astrofísica do Observatório Nacional, em entrevista a EXAME.com.

Um eclipse solar só acontece quando a lua está alinhada com o sol e a Terra, em fase de Lua Nova.

“Os eclipses da lua e do sol sempre acontecem em datas próximas. Tivemos um eclipse lunar em 10 de fevereiro e agora temos um do sol. Isso não é coincidência”, declarou Nascimento, que indica as órbitas da lua e do sol como motivo para que eles aconteçam com intervalos próximos.

Continua após a publicidade

Outro eclipse solar irá acontecer em agosto deste ano, mas ele será visível no Brasil apenas na região Nordeste.

Por meio de observação e cálculo, a previsão de eclipses já acontece desde 2500 antes de Cristo na China e na Babilônia. “A astronomia foi a mãe das ciências porque olhar o céu é algo fantástico”, afirmou a pesquisadora.

Como observar

Diferentemente do eclipse lunar, é preciso ter muito cuidado ao observar o sol durante o fenômeno astronômico. Usar óculos escuros ou filme de raio-X não é o suficiente. Claro, nunca se deve olhar para o sol sem proteção.

A solução é utilizar um telescópio com proteção contra raios ultra-violeta. Também será possível assistir o fenômeno via internet.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Exame.com

Continua após a publicidade
Publicidade