GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Foto ou Gif? Nova ilusão de ótica perturba a internet

Acontece que essa é, de fato, uma ilusão: projetada por uma neurocientista do MIT especificamente para bugar seu cérebro. Entenda.

Entre vestidos brancos ou azuis e perguntas como “porta ou praia?”, ilusões de ótica invadem a internet e, muitas vezes, causam um bug no nosso cérebro. A bola da vez é a que você verá abaixo. Afinal, é foto ou gif?

Acredite, é foto. Ok, não importa quanto tempo você olhe, realmente não para de se mover. Mas, mesmo assim, está parado. Essa imagem foi criada por Alice Proverbio, uma neurocientista da Universidade de Milano Bicocca, que compartilhou a figura em seu Twitter.

Na verdade, a imagem não possui muitos truques. Ela só foi desenvolvida por alguém que sabe exatamente como a aquela composição de cores e formas vai ser processada pelo nosso cérebro. A pesquisadora recebeu tantas perguntas na rede social sobre o mecanismo que resolveu explicá-lo:

“V5 (ou MT) é a área cortical dedicada ao processamento de movimento, enquanto V4 é dedicada ao processamento de cor e forma (como o pentágono). Os neurônios V4 estão tão saturados que a taxa de disparo dos neurônios V5 (ou MT) no estado basal é interpretada como um sinal sensorial real”

Traduzindo: quando você olha para a imagem (principalmente se for de relance, sem se concentrar), a área do córtex visual responsável pelas cores e formas geométricas, chamada V4, recebe tanto estímulo ao mesmo tempo que começa a dar defeito. Uma área próxima, que se chama V5 e cuida do movimento, em princípio não tem nada a ver com essa história, e fica inativa. Acontece que todos os nossos neurônios ficam em stand by constantemente, mesmo quando estão em repouso. Esse grau de atividade mínima é chamado “taxa de disparo basal”. Como a área V4 está confusa e saturada, a taxa basal da área V5, que não signfica nada, acaba sendo interpretada como resposta a um estímulo de movimento inexistente. E aí, o que é imagem vira gif.

A explicação completa, claro, é bem mais complexa. Nem toda imagem colorida e com várias formas dá sensação de movimento para nós. Essa é a mágica da neurocientista – ser capaz de manipular a maneira como o nosso cérebro vai se confundir para induzir a sensação correta. 

(Proverbio chamou a atenção em seu twitter para um detalhe: a ilusão é mais forte e clara se for vista em telas maiores, como a de um PC. Caso esteja lendo pelo celular, não deixe de conferir depois, em uma tela maior!)