Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Fungo alucinógeno torna cigarras compulsivas por sexo

O comportamento anormal dos animais continua mesmo após suas genitálias terem literalmente se soltado do corpo. E agora os cientistas sabem o porquê.

Por Maria Clara Rossini Atualizado em 8 jul 2019, 17h59 - Publicado em 8 jul 2019, 17h56

Alucinógenos também produzem efeitos estranhos em insetos. Um estudo publicado na Fungal Ecology mostrou que cigarras podem apresentar um comportamento bizarro, e compulsivo, quando afetadas por essas substâncias.

As cigarras nascem debaixo da terra, e por lá ficam por 17 anos. Só aí emergem para a superfície, onde sobrevivem por apenas algumas semanas. Enquanto estão saindo do solo, elas são infectadas por uma espécie de fungo chamado Massospora. Além de comer partes do inseto, o fungo também funciona como “alucinógeno”, já que altera o comportamento da vítima.

No caso das cigarras macho, o efeito colateral é um impulso descontrolado por sexo. Eles tentam acasalar com absolutamente tudo que veem pela frente. Devido à presença do fungo do organismo do inseto, alguns de seus membros chegam a se desprender do corpo — mas nem isso é suficiente para fazê-los parar. Até dois terços do corpo da cigarra podem ser perdidos nesse processo.

Para descobrir o que estava provocando o comportamento inusitado, os cientistas analisaram cigarras infectadas pelo fungo Massospora. Eles descobriram que uma espécie específica desse fungo, o Massospora cicadina, é capaz de produzir catinona, uma anfetamina que só havia sido detectada em plantas até então. Na esfera dos humanos, as catinonas sintéticas são comumente conhecidas como “sais de banho”, uma droga estimulante que afeta o sistema nervoso central.

As catinonas podem não ser as únicas responsáveis pelo comportamento inusual. As cigarras também eram afetadas por alucinógenos produzidos por outras variações do fungo. As espécies Massospora platypediae e Massospora levispora produzem uma substância química chamada psilocibina – a mesma substância dos cogumelos alucinógenos. Essa é a primeira vez, aliás, que a psilocibina é detectada em outros tipos de fungos além do cogumelo.

O estudo não serviu apenas para explicar a prática bizarra das cigarras. Segundo o pesquisador Matthew Kasson, coautor da pesquisa, os compostos psicoativos podem ser importantes para a medicina. Não estamos falando de um viagra super potente, mas sim de medicamentos para o tratamento de doenças mentais. Estudos recentes sugerem que pequenas doses de psilocibina podem ajudar até na depressão.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)