Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Inteligência artificial pode identificar cheiros pela estrutura das moléculas

O olfato é um sentido complexo, difícil de ser mapeado – mas a tecnologia, desenvolvida pelo Google, pode ser um passo crucial para digitalizar odores. Entenda.

Por Luisa Costa
Atualizado em 14 set 2022, 17h36 - Publicado em 14 set 2022, 17h34

Pesquisadores do Google usaram inteligência artificial para criar um mapa que relaciona a estrutura de moléculas com o cheiro que elas produzem – além de medir o quão próximas as moléculas estão em relação a seus respectivos odores.

Os cientistas testaram as habilidades do modelo computacional Principal Odor Map (POM) fazendo com que ele indicasse como seria o cheiro de 320 moléculas diferentes com base em sua estrutura. Em seguida, eles compararam os resultados com as descrições feitas por um grupo de 15 pessoas – e descobriram que o POM teve um desempenho semelhante à média.

O modelo foi criado a partir de conjuntos de dados que relacionam mais de 5 mil moléculas a descrições de odor correspondentes – como almíscar, floral e frutal. E o POM parece ser capaz de prever com precisão o odor de moléculas novas.

“A rede neural parece estar aprendendo algum tipo de representação de moléculas que é mais fundamental do que esperávamos”, afirma Joel Mainland, pesquisador da Universidade da Pensilvânia (EUA).

Como nós sentimos odores

Medir ou mapear nossa percepção de odores é uma tarefa difícil por causa da complexidade do olfato. Enquanto nossos olhos têm apenas três receptores sensoriais para cor, por exemplo, nós temos cerca de 400 receptores especializados em cheiros.

O nariz e cérebro trabalham juntos sempre que sentimos um cheiro. Moléculas liberadas por substâncias ao nosso redor entram nas narinas e alcançam uma região da cavidade nasal chamada epitélio olfatório. Por lá ficam células especializadas, chamadas neurônios sensoriais olfativos, que, estimulados pelas moléculas, enviam mensagens ao cérebro para identificar o odor.

Há mais cheiros no ambiente do que receptores, e as moléculas podem estimular uma combinação deles para criar uma representação (um cheiro específico) no cérebro. Além disso, a maioria dos odores que conhecemos surgem de uma mistura de centenas de moléculas voláteis.

Continua após a publicidade

Tudo isso torna difícil a digitalização de odores – a codificação de informações para que um cheiro possa ser recriado a partir de sua assinatura digital. “Esforços anteriores para produzir mapas de odor não ganharam força”, escrevem os pesquisadores.

Os cientistas envolvidos no projeto acreditam que o POM é um passo importante para a digitalização de cheiros. “No futuro, esperamos que essa abordagem possa ser usada para encontrar novas soluções para problemas na formulação de alimentos e fragrâncias, monitoramento da qualidade ambiental e detecção de doenças humanas e animais”, diz Mainland.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.