Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

James Webb detecta colisão de buracos negros mais antiga já observada

A fusão desses dois gigantes (e das galáxias que giravam em torno deles) aconteceu 740 milhões de anos após o surgimento do Universo.

Por Caio César Pereira
19 Maio 2024, 18h00

O Universo surgiu há 13,8 bilhões de anos, em um estado extremamente denso e quente.

Algumas centenas de milhões de anos depois, quando o cosmos já havia resfriado e se expandido o suficiente para abrigar estrelas, planetas e outros astros como os conhecemos, começaram a acontecer algumas coisas interessantes, como colisões entre buracos negros.

Agora, um resquicio de uma das primeiras colisões desse tipo foi detectado pelo telescópio espacial James Webb, exatos 740 milhões de anos após a origem. 

Não é exatamente uma novidade que esses corpos se chocam. Os detectores de ondas gravitacionais Ligo e Virgo são especialistas em captar esse tipo de choque. O que torna essa colisão tão interessante é que ela é a mais distante já observada (e, portanto, a mais antiga). 

Continua após a publicidade

A luz de objetos distantes leva um tempo proporcional à distância para chegar até aqui, de forma que olhar para o céu é olhar para o passado. Quanto mais longe, mais antigo. 

As evidências detectadas pelo James Webb são de uma fusão de duas galáxias, que envolve a colisão entres os buracos negros supermassivos localizados em seus centros. Conhecido como ZS7, o sistema apresenta dois buracos negros supermassivos; um deles apresentando uma massa 50 milhões de vezes a massa do Sol.

“Graças à nitidez sem precedentes das capacidades de imagem do Webb, nossa equipe também conseguiu separar espacialmente os dois buracos negros”, conta à Sky at Night Magazine Hannah Übler, pesquisadora da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, e autora principal do estudo.

Continua após a publicidade

Buracos negros supermassivos são comuns nas partes centrais de galáxias. A nossa Via Láctea mesmo possui um. Chamado de Sagittarius A* , ele está localizado a 27 mil anos luz da Terra, e possui 4,3 milhões de vezes a massa do Sol.

A relação dos buracos negros supermassivos com a formação das galaxias gera muitas perguntas. Será que as galáxias se formam e evoluem ao redor dos buracos negros, ou que os buracos negros se formam no centro das galáxias existentes? Descobertas como essa do James Webb podem ajudar os astrônomos a finalmente responder essas perguntas.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.