Clique e Assine por apenas 8,90/mês

Mamutes machos morriam mais de maneiras idiotas do que fêmeas

Assim como os machos de um certo macaco pelado com dedões opositores, os mamutes com cromossomo Y corriam mais riscos desnecessários do que as fêmeas.

Por Bruno Vaiano - Atualizado em 14 nov 2017, 18h07 - Publicado em 14 nov 2017, 18h02

Em 1567, o político alemão Hans Steininger – famoso por sua barba de mais de dois metros – se esqueceu de guardar o imenso ornamento capilar no bolso ao fugir de um incêndio. Correndo desesperado, tropeçou em seus próprios pelos, caiu e quebrou o pescoço.

A história é quase tão ruim quanto o advogado americano Clement Vallandigham, que em 1871 morreu no tribunal ao dar um tiro no próprio abdômen. Ele estava tentando demonstrar ao juiz o movimento que um homem havia feito com os braços ao apontar uma arma para si próprio e se suicidar – mas a simulação foi tão boa que Vallandigham acabou esbarrando no gatilho e se matando também.

Homens adoram morrer de bobeira – e morrem mais e de jeitos mais criativos que as mulheres. E agora descobrimos que essa predileção por péssimas ideias não é exclusiva do cromossomo Y humano. Um grupo de pesquisadores do Museu de Ciência Natural da Suécia descobriu que os mamutes machos que viviam na Sibéria na pré-história morriam por acidente com muito mais frequência que as fêmeas.

“Em muitas espécies, os machos tendem a fazer coisas estúpidas e acabam morrendo de jeitos bobos. Parece que esse era o caso dos mamutes”, afirmou Love Dalén, um dos biólogos do museu, ao The New York Times. “As fêmeas mais velhas são mais sábias, elas sabem mais do que ninguém.”

Continua após a publicidade

Tirar a conclusão não foi tão difícil assim. Durante as escavações, Dalém e seus colegas encontraram 98 esqueletos de mamute, e estabeleceram seus sexos por meio de análises genéticas. Dois terços eram de machos, o que não fazia nenhum sentido estatístico: em qualquer espécie – inclusive a humana –, o mais comum que haja aproximadamente um macho para cada fêmea. Pelo mesmo motivo que, se você jogar uma moeda vezes suficientes, o número de caras e coroas acaba se igualando com o passar do tempo.

Em busca de uma explicação para essa anomalia, eles começaram a prestar atenção no local em que cada espécime era encontrado. E aí mataram a charada: os ossos de machos geralmente apareciam em armadilhas naturais, como lagos cobertos por camadas muito finas e frágeis de gelo ou locais que foram atingidos por deslizamentos de terra. O tipo de risco que uma experiente vovó mastodôntica nem sonharia em correr – mas que um mamutinho adolescente, curioso e cheio de hormônios, está super disposto a encarar.

Os machos, porém, têm uma desculpa para depor a seu favor: sua inconsequência é resultado da superproteção na infância. Da mesma forma que os elefantes atuais, os mamutes bebês provavelmente cresciam em bandos de animais liderados por fêmeas – que os acompanhavam até os 14 ou 15 anos. Nessa idade, eram soltos no mundão e acabavam se juntando a grupos com outros machos jovens recém-emancipado para sobreviver. Sem saber nada sobre a vida, eles se metiam em situações arriscadas. Mais ou menos como você nas primeiras festas da faculdade.

Publicidade