Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Nada de sopa primordial: novo estudo dá pistas alternativas sobre a origem da vida na Terra

A principal teoria sobre o início da vida por aqui fala sobre um caldo orgânico que foi energizado na superfície do nosso planeta. Agora, um novo estudo contesta a hipótese e reforça a ideia da origem em ambientes mais extremos.

Por Ana Carolina Leonardi Atualizado em 31 out 2016, 18h58 - Publicado em 22 ago 2016, 20h45

A ciência está longe de chegar a um consenso sobre como a vida começou na Terra. Há anos, a hipótese defendida pela maioria dos cientistas é que a matéria orgânica essencial para a vida surgiu em uma “sopa primordial” ou, como dizia Darwin, em um pequeno laguinho aquecido.

A radiação solar e as tempestades elétricas na atmosfera primitiva do nosso planeta teria sido o grande gatilho para que começassem as reações químicas que acabariam culminando em moléculas simples e mais tarde, na síntese de proteínas, gorduras e carboidratos. Dessa piscina orgânica surgiria o primeiro ser vivo.

Mas um novo estudo recém-publicado na revista Nature vem questionar essa proposta – e, para isso, decidiu ir lá atrás na árvore da vida. Pesquisadores da Universidade Heinrich Heine, na Alemanha, reuniram mais de 6 milhões de genes de micróbios para tentar traçar o perfil do Luca (acrônimo para last universal common ancestral: último ancestral comum universal, em português), que teria vivido há 4 bilhões de anos e a partir do qual todas as formas de vida que temos hoje teriam surgido.

Usando computadores para filtrar as bases de dados, os cientistas conseguiram chegar a 355 genes que provavelmente formavam o Luca – o que já indica que tipo de substâncias ele era capaz de produzir e em que ambiente viveu.

O perfil final mostra que Luca era um ser unicelular que não dependia de oxigênio, mas absorvia gás hidrogênio para sobreviver. A partir dessas características, os pesquisadores concluíram que o habitat dele necessariamente foi um ambiente rico em H2, CO2 e ferro… O que está diretamente ligado a outra teoria de origem da vida terrestre, que se opõe à da sopa primordial e postula que a vida nasceu em fontes hidrotermais das profundezas oceânicas.


 

LEIA: De onde viemos?​

Continua após a publicidade

A ideia da sopa explica muito bem como as primeiras células passaram a sintetizar proteínas e a guardar informações (com um mecanismo parecido com o DNA). Mas as fontes de energia apontadas pela teoria são extremamente voláteis. Isso significa que o aproveitamento energético das formas de vida primordiais teria sido muito diferente do observado em estrutura biológicas atuais.

Os defensores da hipótese das origem da vida em fontes hidrotermais partem do princípio de que os seres vivos têm um fator em comum na hora de produzir energia: eles utilizam gradientes de íons dentro das suas células. As células humanas, por exemplo, usam a energia que tiramos da comida para criar um desequilíbrio na concentração de prótons (íons H+). Conforme esses prótons se mexem, eles levam à sintetização de ATP, nossa molécula de energia.

No fundo do oceano, a interação entre a água e a rocha levou ao surgimento de fissuras na crosta terrestre. Quatro bilhões de anos atrás, as fontes hidrotermais liberavam fluídos alcalinos, que interagiam com um oceano que provavelmente era ácido. Esse desequilíbrio de acidez geraria um gradiente de prótons parecido com o das nossas células.

Lá no fundo do mar, os primeiros seres vivos teriam ainda um suprimento estável de gás hidrogênio, CO2 e minerais, além de uma estrutura de microporos inorgânicos que funcionariam como membranas celulares.

Essa teoria, portanto, defende que no início da vida os processos de geração energética já eram bastante parecidos com os que ocorrem dentro de células modernas e muito mais complexas. Mais tarde, as células aprenderiam como produzir seu próprio gradiente de prótons, sem depender mais do ambiente, e aí a vida teria colonizado todo o planeta.

Uma das implicações dessa teoria é que a vida poderia surgir com muito mais facilidade do que se ela depender da sopa – basta um planeta molhado e rochoso. Por outro lado, ainda há quem proteste mesmo com as novas hipóteses sobre o Luca.

Para os cientistas que seguem defendendo a sopa primordial, é possível sim que um ancestral comum dos seres vivos atuais tenha vivido no fundo do oceano nas condições descritas pela nova pesquisa – porém, para eles, esse organismo é sofisticado demais para ser o primeiro a surgir na Terra e, por isso, seguem insistindo que a vida nasceu na superfície, em um grande caldo refogado pelo Sol.

Continua após a publicidade

Publicidade
Ciência
Nada de sopa primordial: novo estudo dá pistas alternativas sobre a origem da vida na Terra
A principal teoria sobre o início da vida por aqui fala sobre um caldo orgânico que foi energizado na superfície do nosso planeta. Agora, um novo estudo contesta a hipótese e reforça a ideia da origem em ambientes mais extremos.

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade