Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Não existia dieta paleo no paleolítico: eles comiam carboidrato

Sabe aquele regime que obriga você a cortar carboidratos? Ele não é uma cópia tão fiel assim da alimentação de nossos ancestrais.

Por Rafael Battaglia Atualizado em 31 jan 2020, 11h47 - Publicado em 28 jan 2020, 17h48

Em 2016, cientistas encontraram, em uma caverna no sul da África, dezenas de pedaços de carvão sob uma grande camada de cinzas. Anos depois, o achado revelou algo interessante: os humanos que viviam ali há 170 mil anos assavam vegetais (raízes, mais precisamente) para comer.

No carvão, os cientistas identificaram fragmentos de rizoma, o caule subterrâneo de uma planta do gênero Hypoxis. Essa variedade existe até hoje, e em alguns lugares é chamada de batata africana. Seu gosto, contudo, é bem amargo, então ela acaba sendo usada para fins medicinais, e não como alimento. Acredita-se que os ancestrais cozinheiros comiam uma outra variedade da planta, mais saborosa.

Os rizomas de Hypoxis podem ser tão ricos em carboidratos quanto a batata a que estamos acostumados. E a alta quantidade de fragmentos encontrados sugere que o alimento era um item recorrente na dieta daqueles humanos. Isso pode mudar a percepção que tínhamos sobre a alimentação do Paleolítico.

Durante muito tempo, acreditou-se que os humanos coletores se limitavam a carnes e alguns vegetais. A moderna “dieta paleolítica”, que se inspira nesse período pré-histórico, exclui do cardápio tubérculos como as batatas. A nova pesquisa sugere que o menu dos nossos ancestrais, afinal, não era tão restrito assim.

Continua após a publicidade

Publicidade