Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Nasa prevê risco recorde de incêndios na Amazônia

Fogo na floresta: El Niño deixou os oceanos muito quentes e transformou a região em um fósforo gigante.

Por Ana Carolina Leonardi
Atualizado em 31 out 2016, 19h01 - Publicado em 1 jul 2016, 17h45

O inverno vai pegar fogo na Amazônia neste ano. A Nasa divulgou nesta semana um relatório sobre a temporada de queimadas na floreta e as previsões são as mais assustadores desde 2001.

Os cientistas avaliam o risco de fogo comparado aos últimos 15 anos, desde que o estudo começou. E o cenário atual é o pior: o perigo de incêndios severos está acima de 90% para todos os estados brasileiros na região amazônica – o maior índice, no Pará, é de 98%.

Estamos em pleno ciclo do El Niño, fenômeno climático que aquece a temperatura dos oceanos. Oceanos quentes afetam o ciclo das chuvas e foi o que aconteceu nesse verão: a chuva que geralmente atinge a Amazônia se deslocou mais para norte, deixando a região mais seca e mais suscetível ao fogo.

Na temporada com menos chuvas, que começa agora, no inverno, a situação deve se agravar ainda mais. Um Atlântico quente é sempre um mal sinal – não só aumenta a chance de incêndios por aqui, mas potencializa os tornados que atingem a América do Norte. Para piorar, as águas do Pacífico também estão mais quentes que o normal, tudo culpa do El Niño.

Continua após a publicidade

LEIA: 9 cidades que foram destruídas por incêndios

Os cientistas da Nasa e da Universidade da Califórnia em Irving também avaliaram o nível da seca usando o satélite GRACE (Recuperação de gravidade e experimentos do clima, em inglês), que ajudou a estimar quanto de água temos acumulada em rios e aquíferos. Tudo indica que a seca vai ser ainda pior que em 2005 e 2010, durante outras traquinagens de El Niño.

Como explica o relatório da Nasa, sem água suficiente, as árvores reduzem a sua evapotranspiração. Diminui, então a umidade na atmosfera – e aí tanto a vegetação quanto a camada de resíduos orgânicos no chão fica ressecada. Daí é um pulo para tudo pegar fogo.

Continua após a publicidade

LEIA: Metade das árvores amazônicas corre risco de extinção​

A expectativa é que a situação fique parecida com a de 1998, quando o fenômeno causou incêndios devastadores em Roraima.

Mas não dá para colocar tudo na conta do El Niño: ele aumenta, sim, o risco de incêndios devastadores. Ainda assim, a enorme maioria das queimadas na região não é natural: é iniciada pelos agricultores que queimam a floresta para limpar campos para cultivo e pecuária. O problema é que, juntando essa prática com a vegetação ressecada, esses fogos ficam quase impossíveis de controlar.

Continua após a publicidade

A esperança dos pesquisadores é uma mudança que venha do norte. Caso o Atlântico Norte comece a ter temperaturas mais baixas, as chuvas podem se tornar mais abundantes e jogar um feliz balde de água gelada na previsão da Nasa.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.