Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Neandertais tomavam aspirina há 50 mil anos

Placa bacteriana de neandertais espanhóis revela que eles já consumiam plantas com o princípio ativo da Aspirina para aliviar a dor

Por Bruno Vaiano 9 mar 2017, 16h13

A placa bacteriana é a vilã número um de todos os comerciais de pasta de dente. Mas quando o assunto é estudar a evolução humana, os arqueólogos gostam mesmo é de muito, muito bafo de onça. Analisando os restos de comida e a colônia de bactérias de quatro arcadas dentárias neandertais, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Adelaide, na Austrália, revelou o menu dos almoços europeus entre 42 mil e 50 mil anos atrás e descobriu que a Aspirina já era o analgésico favorito da pré-história.

Os ossos analisados saíram das cavernas de Spy, na Bélgica, e El Sidrón, na Espanha. Os dentes sujos belgas tinham restos de cogumelos selvagens, pedaços de ovelha não-domesticadas e até DNA de um mamífero extinto, o Rinoceronte-lanudo, que pesava, em média, 3,5 toneladas. Já os espanhóis eram vegetarianos pouco seletivos: musgos e cascas de árvores estavam misturados com pinhão e cogumelos.

Um dos neandertais de El Sidrón tinha um grave abscesso dentário, visível no osso da mandíbula, e sofria de diarreia. Sem um médico por perto, ele passou a comer plantas típicas do hemisfério norte que contém o princípio ativo da Aspirina, o ácido acetilsalicílico. Seu talento farmacêutico não parou por aí: segundo os pesquisadores, traços de penicilina, o primeiro antibiótico, também foram encontrados em sua boca.

“Aparentemente, os neandertais tinham um bom conhecimento de plantas medicinais e suas propriedades analgésicas e anti-inflamatórias, e estavam se automedicando”, afirmou Alan Cooper, diretor da área da universidade responsável pela descoberta, à assessoria de imprensa. “O uso de antibióticos seria surpreendente, afinal, isso aconteceu 40 mil anos antes de nós descobrirmos a penicilina. Tudo contrasta fortemente com a visão leviana dos nossos parentes pré-históricos que impera no imaginário popular.”

O artigo científico também revela que o tipo de bactéria que se desenvolveu na boca de cada fóssil está diretamente associado à dieta deles, e os micro-organismos que até hoje são responsáveis por doenças como gengivite já atacavam Homo sapiens e Homo neanderthalensis sem distinção. Uma dor de dente mais antiga que a civilização. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)