Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Nossos ancestrais faziam sexo com outra espécie: o Homo denisova

Nova pesquisa indica que vivemos uma história de amor pré-histórica e ainda carregamos o DNA deles conosco

Por Felipe Sali Atualizado em 16 mar 2018, 13h58 - Publicado em 16 mar 2018, 13h54

Nós sabemos que o mundo de 100 mil anos atrás foi habitado por pelo menos seis espécies de humanos diferentes. E por que não? Hoje temos muitas espécies de gatos, ursos e porcos. Nós batizamos a nossa própria espécie de Homo sapiens (homem sábio), mas também havia o Homo rudolfensi (homem do lago Rudolf), o Homo ergaster (homem trabalhador), entre outros.

Em 2010, uma nova espécie humana foi descoberta através de um fóssil encontrado na caverna de Denisova, na Sibéria. Depois de uma análise genética comprovar que não conhecíamos nada assim antes, o batizamos (sem criatividade alguma) de Homo denisova. Até hoje, sabemos pouquíssimo sobre eles, que permanecem um mistério. Para se ter uma ideia, nem temos um nome científico formal para a espécie ainda (alguns cientistas estão considerando Homo sp. Altai ou Homo sapiens ssp. Denisova).

Bom, de acordo com um estudo publicado nesta quinta-feira (15), nós temos mais uma informação sobre os misteriosos denisovans: nós transávamos com eles.

Para chegar a essa conclusão, a equipe de pesquisa liderada por Sharon Browning, professora na Universidade de Washington, comparou o genoma Denisova com 5.600 sequências de genoma de indivíduos na Europa, Ásia, Américas e Oceania. A análise sugeriu que em dois momentos da história o acasalamento aconteceu, e até hoje algumas populações carregam os traços de DNA. Pessoas dos países do Oceano Pacífico, incluindo Papua Nova Guiné, mostraram possuir cerca de 5% do DNA herdado do Homo denisova. O mesmo aconteceu com chineses e japoneses, embora em menor escala.

Não é a primeira vez que descobrimos algo assim. Em 2016, um estudo mostrou que a nossa espécie transou várias vezes com os neandertais e deixou vários descendentes férteis. Nós somos uma espécie namoradeira e não há problema nenhum nisso.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)