Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O arquiteto dos placebos impossíveis

Edzard Ernst cria placebos para qualquer coisa – até para pensamento positivo.

Por Bruno Vaiano Atualizado em 4 jan 2019, 15h12 - Publicado em 4 jan 2019, 15h10

O médico alemão Edzard Ernst dedicou duas décadas de pesquisa na Universidade de Exeter, no Reino Unido, para testar de forma rigorosa as técnicas da medicina alternativa, como homeopatia, acupuntura e cura espiritual. Esse tipo de teste, porém, precisa de um placebo. No caso de um remédio comum, basta dar uma pílula de açúcar a um grupo, uma de verdade para outro e comparar os resultados, certo ? Mas como criar placebos equivalentes para terapias menos palpáveis? O próprio Ernst explica.

SUPER: Como vocês fizeram o placebo de acupuntura?

Ernst: Projetamos uma agulha que parece penetrar a pele, mas enrola dentro de si própria. É como uma faca falsa, de lâmina retrátil, dessas usadas no teatro. Ela aderia à pele, não tinha nenhum efeito fisiológico e era indistinguível de uma agulha real. Só depois de garantir tudo isso é que pudemos fazer um teste clínico, comparando os efeitos. E ele comprovou que acupuntura não funciona. Tem o mesmo efeito do placebo.

Qual é o seu caso de placebo favorito?

O de cura espiritual. Tivemos a ideia de usar cinco curandeiros de verdade e, depois, recrutar cinco atores muito parecidos com eles. Cada ator aprendeu com seus respectivos curandeiros como simular o procedimento. Aí chamamos pacientes com dor crônica. Eles eram tratados ora pelos curandeiros verdadeiros, ora pelos falsos. Ninguém sabia quem era quem. Ao final do estudo, a única coisa que percebemos, ainda que sutilmente, foi que os atores eram melhores que os curandeiros em reduzir a dor dos pacientes.

Alguém já desconfiou do placebo?

Só em um teste de remédio comum. Os pacientes tomavam tanto o medicamento ativo quanto o placebo por quatro semanas. Depois de avaliar um indivíduo, ele disse: “Você mudou meu remédio”. Eu me impressionei: “Mas como você sabia? O placebo e o remédio são idênticos”. Ele confessou que jogava as pílulas na privada. “O que você me deu antes flutuava. Esse aqui afunda.” Bruno Vaiano

Continua após a publicidade

Publicidade
Ciência
O arquiteto dos placebos impossíveis
Edzard Ernst cria placebos para qualquer coisa – até para pensamento positivo.

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade