GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

O maior organismo vivo da Terra está morrendo

Cientistas desvendaram o encolhimento do Pando, floresta de uma árvore só que perdeu tamanho nas últimas décadas. A resposta, claro, tem a ver com o homem

Responda rápido: o que pesa mais, uma baleia azul ou esta árvore milenar que fica em uma floresta de Utah, nos Estados Unidos? Como você já deve ter sacado pela imagem deste post, acertou quem escolheu a segunda opção. Com incríveis 6 milhões de quilogramas, o Pando é o maior ser vivo que já deu o ar da graça no planeta.

À primeira vista, parece se tratar de uma floresta. E de fato é mesmo. O que os cientistas convencionam chamar de Pando, na verdade, diz respeito a 47 mil árvores reunidas uma área de 430 mil metros quadrados (o equivalente a 57 campos de futebol). Tudo que a vista alcança, no entanto, representa uma coisa só. Isso porque cada árvore compartilha o mesmo DNA, e está conectada com seus gêmeos idênticos por um intrincado sistema de raízes subterrâneas. Por causa disso são, a rigor, o mesmo indivíduo.

O fenômeno acima descreve o que os cientistas chamam de colônia clonal, grupos de seres vivos que são cópias idênticas geneticamente uns dos outros. Além de plantas, bactérias e fungos também podem existir dessa maneira.

No caso da Populus tremuloides, nome científico do Pando, os brotos são transportados pelas extensas raízes. Quando perfuram o solo, dão origem a uma nova árvore.

Foi essa forma de reprodução assexuada peculiar que motivou, inclusive, a escolha do nome da planta. Em latim, Pando poderia ser traduzido por algo como “me expando”. Cada raiz, ao se expandir debaixo da terra, dá origem a novos apêndices. É só repetir esse processo infinitamente e você tem uma bela floresta.

O grande problema é que essa taxa de renovação foi ficando mais lenta nas últimas décadas anos. Cada dia que passa, a floresta envelhece e há menos clones para tomar o lugar dos irmãos – o que significa dizer que o Pando está morrendo.

Veja também

A boa notícia é que pesquisadores Universidade do Estado de Utah já sabem o que está causando isso. Em um estudo publicado quarta-feira (17) na revista científica PLOS ONE, os cientistas colocam a morte vagarosa na conta de veados-mula que habitam a Floresta Nacional Fishlake, reserva da região central do estado de Utah onde está o Pando.

O grupo identificou essa relação com um experimento bastante simples. Entre 2013 e 2014, eles dividiram a área ocupada pelo Pando em quadrantes. Em alguns pontos, impediram o acesso completo dos veados-mula, usando cercas. Em outros, deixaram os primos de Bambi livres para correr entre as árvores e se alimentar do que quisessem.

Depois, os cientistas compararam o número de ramificações do Pando vivas, quantas delas estavam mortas, e o número de novos brotos em cada uma das áreas – além de rastrear os animais analisando suas fezes. As partes onde os veados-mula corriam soltos acabaram ficando mais comprometidas, é claro.

Veja também

Bingo. Então, é só tirar os animais da área e pronto, problema resolvido. A grande pergunta para os pesquisadores, porém, passou a ser por que veados-mula tinham tanto sucesso habitando a área. A resposta veio rápido: a ausência de predadores, como lobos e ursos, na região. Adivinhe quem é o responsável pelo sumiço dessas espécies? Desde o século passado, a presença humana para atividades de caça acabou com a maior parte desse animais – e, consequentemente, aumentou o número de veados-mula.

Segundo os cientistas, o desafio agora é recuperar o ambiente para que o Pando possa crescer feliz e lampeiro de novo, como há décadas não acontece. “Nós não estamos falando só de uma árvore, mas sim de todos os animais e plantas que dependem dela”, disse Paul Rogers, líder do estudo, em entrevista ao site LiveScience. “Não dá para gerir a floresta e a vida selvagem de forma independente. Temos de cuidar de ambas de maneira coordenada”, completa. A receita para o sucesso está na ponta da língua: manter caçadores o mais longe possivel. Para isso, porém, deverão precisar de mais que alguns metros de cerca.