Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O que acontece no corpo de quem morre de frio

Tudo começa com calafrios, fraqueza e confusão mental. Até chegar à perda completa da sensibilidade. É o fim.

Por Alexandre Carvalho 19 Maio 2022, 18h39

Nos dias mais frios do inverno, há uma onda de solidariedade em relação a pessoas em situação de rua como poucas vezes se vê no resto do ano. ONGs, entidades assistenciais e mesmo gente menos engajada normalmente com o combate à miséria se empenham em conseguir cobertores, agasalhos, sopas quentes… Algumas igrejas abrem suas portas e espalham colchões e mantas. Tudo porque o frio extremo não é apenas um sofrimento a mais para quem passa a noite precisando dormir debaixo de um viaduto. O frio também mata quem está ao relento. Principalmente se combinado à umidade. 

Exposto ao vento congelante, o corpo perde calor 25 vezes mais rápido se estiver úmido, segundo a Divisão de Medicina Térmica do Exército dos Estados Unidos. E ele pode estar molhado por chuva, uma calçada bastante úmida e até pelos jatos de água disparados pela polícia (expediente bastante cruel para expulsar pobres de locais onde não são bem-vindos). Então, quando a temperatura corporal cai, surge o fenômeno da hipotermia, com grave risco de vida. 

Vale enfatizar isso: não é uma noite de 5 ou 7 graus que mata as pessoas. É a queda da temperatura corporal que provoca a hipotermia. E essa queda só acontece quando o indivíduo não tem um teto sobre sua cabeça e paredes para barrar os ventos e a chuva, não tem roupas adequadas para o frio nem cobertores. Ou acesso a alimentos quentes.

O caminho para a morte se dá porque uma queda radical na temperatura do corpo impede que o cérebro e o coração funcionem corretamente.

Em situação normal, nosso corpo, para realizar suas funções metabólicas, funciona entre 36 e 37 graus. Essa temperatura é regulada por uma região do cérebro chamada hipotálamo – que nos faz suar quando o corpo precisa esfriar e nos deixa tremendo quando é imprescindível manter calor no organismo. Como as reações químicas dentro da gente dependem de calor para serem feitas, a redução da temperatura do corpo por causa da exposição a um frio muito extremo provoca um desequilíbrio letal.

Por exemplo, com o corpo a 35 °C, surgem os sintomas de hipotermia leve: calafrios, fraqueza e alguma confusão mental. Para baixo disso, a coisa fica muito mais séria. Aos 33 graus, a pessoa começa a sofrer de amnésia. Aos 28, está em condições de perder a consciência – é a falta de calor de que depende a transmissão de impulsos do sistema nervoso central. Vamos perdendo toda a sensibilidade. Até o fim. 

Continua após a publicidade

Abaixo de 21 graus, já estamos falando de hipotermia profunda, e a morte é questão de tempo. O coração está à beira da falência completa – e pode parar a qualquer momento. 

Mecanismos de defesa

Se você não mora nos polos da Terra, não tenta escalar montanhas de picos gelados nem é uma pessoa em situação de rua, calma: não é fácil morrer de frio. Temos mecanismos embutidos para nos proteger das temperaturas próximas a zero. 

Assim que um ar muito frio atinge seu rosto, o organismo move seu sangue para longe da pele e das extremidades do corpo. Você fica com as mãos e pés gelados (são as partes que mais gangrenam em alpinistas perdidos na neve), mas com os órgãos internos protegidos. Esse processo está ligado à contração dos músculos lisos dos vasos sanguíneos, que ajuda a limitar a quantidade de calor que você perde para o meio ambiente. 

E não é à toa que seu corpo fica tremendo no frio. O tremor é um movimento que produz calor. 

Por isso, vira e mexe você fica sabendo de alguém que esquiou na neve de bermuda ou atravessou o Canal da Mancha, cujas águas chegam facilmente a gelados 10 °C. Nosso corpo evoluiu para resistir ao frio. Até certo ponto. 

Só não é capaz de passar noites seguidas na rua, sem agasalho ou cobertor. Como acontece com tantos brasileiros que morrem de frio por falta de ação do poder público.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)