Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pode-se confiar nos cientistas?

Os cientistas criam modelos do mundo cada vez mais sofisticados, mas muitas das teorias que anunciam se revelam falsas. No entanto, seria errado renegar a ciência.

Por Da Redação Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 out 2016, 18h46 - Publicado em 30 abr 1990, 22h00

Paul Davies

Pretendem achar a verdade, mas as verdades que se anunciam muitas vezes se revelam falsas. Criam modelos do mundo real, mas não explicam o sentido da vida. Mesmo assim, seria um erro fatal renegar a ciência
Vivemos na era da ciência. Mas os cientistas não são os únicos a atrair a atenção das pessoas. Religiões e correntes filosóficas competem com a ciência, afirmando que podem oferecer uma imagem melhor e mais completa do mundo. Na concorrência com outros sistemas de idéias, a reivindicação da ciência tem grande importância, porque ela se ocupa da verdade e uma teoria científica só se mantém quando demonstrada experimentalmente. Mas essa imagem da ciência é uma idealização. Só em teoria os resultados científicos podem ser reflexo exato e objetivo do mundo real. Na prática, já faz muito tempo que a natureza da verdade científica não é tão unívoca. Sempre topamos com um “sim, mas…”

A base do método científico é a gestação de uma teoria. Por sua própria natureza, as teorias científicas são modelos do mundo real e grande parte do léxico e do vocabulário científico está relacionada com tais modelos, não com a realidade. Por exemplo, os cientistas utilizam com frequência a palavra descoberta, quando querem dizer apena que um teórico aperfeiçoou um modelo. Assim, muitas vezes se ouve a afirmação de que o famoso físico britânico Stephen Hawking havia descoberto que os buracos negros não são realmente negros porque nada pode sair deles; emitiram radiações de calor e, portanto, seriam buracos brancos. Semelhante afirmação deriva de uma construção matemática que nada tem a ver com a realidade. Até hoje ninguém viu um buraco negro, o que significa que ninguém tampouco pôde descobrir que dali saem radiações caloríficas.

Mas como saber se um modelo científico é apenas um suporte para cálculo ou se efetivamente descreve uma realidade? Quando os primeiros astrônomos seguiam os movimentos das estrelas no céu e tentavam compreendê-los, desenvolveram o seguinte modelo: a Terra se encontra no centro, rodeada pelas órbitas circulares do Sol, da Lua, das estrelas e dos planetas. Logo se verificou que esse modelo devia ser incorreto: quanto mais e com maior precisão se observava o céu, mais órbitas circulares era necessário acrescentar às já encontradas. O sistema foi se complicando. Assim, quando finalmente Copérnico colocou o Sol no centro, o modelo se simplificou

Continua após a publicidade

Hoje ninguém duvida que o sol se encontra no centro do nosso sistema solar e que a terra orbita a seu redor. Mas de onde tiramos essa certeza? Será que ela se deve unicamente ao fato de ser o modelo heliocêntrico? Quem nos garante que essa descrição seja a correta? Não obstante, enquanto os modelos científicos estiverem estreitamente ligados com a experiência direta, nos sentimos seguros de poder distinguir entre o modelo e a realidade. Em outros campos da Física, em compensação , não é tão simples assim. O conceito de energia, por exemplo, que hoje soa tão familiar, foi introduzido originalmente como um conceito teórico. É claro que ninguém pode ver e muito menos tocar a energia. E, no entanto, hoje aceitamos que ela existe, porque faz muito tempo que manejamos este conceito.

A situação se agrava com a denominada Nova Física, que se ocupa das coisas menores e das maiores, do interior dos átomos e do Universo. Nela, a fronteira entre o modelo teórico e a realidade fica de tal modo borrada que não se pode conhecê-la. Vejamos um enigma não resolvido até agora da Física das Partículas: por que as partículas subatômicas possuem precisamente as mesmas massas que têm e não outras? A massa do próton, por exemplo, é 1836 vezes maior que a de um elétron. Por que precisamente 1836 vezes maior? Ninguém sabe. Suponhamos agora que alguém construísse um instrumento musical que emitisse sons cujas vibrações equivalessem exatamente aos números da massa das partículas. Seria um modelo excelente. Mas poder-se-ia dizer que as partículas fazem o papel denotas em algum abstrato evento musical? Pareceria ridículo.

Em todo o caso, atenção: hoje em dia os físicos estão absolutamente fascinados pela teoria das supercordas, que afirma que as partículas subatômicas não existem; que aquilo que nos parece partículas são unicamente vibrações de fios diminutos. Certamente, tampouco podemos observar na realidade essas cordas, pois os fios são demasiado pequenos. Cabe portanto a pergunta: devemos acreditar que existam realmente ou apenas no mundo teórico? A natureza tem o desagradável costume de enganar repetidamente o homem, fazendo-o confundir o que existe de fato com os produtos de sua imaginação. O campo da Biologia tem proporcionado muitos exemplos disso. Os organismos biológicos têm propriedades tão atraentes que é tentador imaginar que neles se encontra uma substância especial, uma força vital que mova os fios da existência. O cientista alemão Hans Driesch (1867 – 1941) denominou essa força enteléquia (do grego em, para, e telós, objetivo).

Continua após a publicidade

A teoria do vitalismo desfrutou de grande aceitação no princípio do século. Na atualidade está totalmente desmentida. Os progressos no campo da Biologia molecular, com a descoberta do ácido desoxirribonucléico (DNA) como portador da informação genética e o deciframento do código genético, demonstraram com clareza que a vida se baseia em processos químicos que não se diferenciam de forma substancial dos processos químicos do mundo inanimado. A história da teoria da evolução está cheia de tais erros. Pense-se apenas quão plausível parecia de início a teoria do investigador francês Jean Lamarck (1744 – 1829) de que os seres vivos podiam herdar aptidões adquiridas pelos genitores: os leões tentam correr mais rápido; as girafas estendem seus pescoços para alcançar folhas mais altas e assim sucessivamente leões. Para Lamarck isso se refletiria na geração seguinte. Mas essa teoria está equivocada. As aptidões adquiridas não se transmitem aos descendentes.

Como observou acertadamente Darwin, a herança genética varia ao acaso de uma geração a outra e a seleção natural se encarrega da constante adaptação das espécies ao meio assim como do lento processo de evolução. Por que tis confusões ocorrem com tanta frequência? O filósofo americano Thomas Kuhn crê que os cientistas desenvolvem determinadas convicções, a que se aferram, até se tornar evidente que se trata de absurdos. Esses modelos ou paradigmas têm grande influência sobre o método científico e, portanto, sobre as conclusões que se tiram dos experimentos. Às vezes ocorre que vários especialistas realizam de forma independente a mesma medição e chegam ao mesmo resultado – equivocado, mas que todos estavam esperando. Em 1877 o astrônomo italiano Giovanni Schiaparelli (1835 – 1910) informou que havia descoberto uma misteriosa rede de linhas na superfície de Marte. A seguir, muitos outros astrônomos a confirmaram. Alguns até apresentaram desenhos detalhados. Mas, quando a sonda espacial americana Mariner IV sobrevoou pela primeira vez o planeta vermelho em 1965 e fotografou a sua superfície, não se encontrou o mais remoto vestígio daqueles canais.

A história da teoria do flogisto também é interessante. No século XVII, um naturalista alemão chamado Georg Ernst Stahl (1660 – 1734) anunciou que os corpos em combustão eliminam uma substância misteriosa denominada flogisto. A idéia de Stahl pareceu convincente, pois os objetos queimando ou assando na grelha dão a impressão de emitir algo no ar. Na realidade ocorre exatamente o contrário. A combustão e o assado consistem precisamente em que as substâncias participantes de tais processos retiram algo do ar, oxigênio, com o qual se combinam. Mais uma prova de que não se pode confiar nas aparências.

Continua após a publicidade

Quando uma tendência nas idéias científicas é substituída por outra, ou seja, quando ocorre alguma troca de paradigma, desencadeiam-se acaloradas discussões. Um exemplo típico é o do éter, mediante o qual, aparentemente, a luz se desloca de um ponto a outro. Quando o físico escocês James Clerk Maxwell (1831 – 1879) demonstrou que a luz é uma onde eletromagnética, soou totalmente lógico que ela precisaria de um meio através do qual pudesse se propagar, assim como a onda sonora depende do ar para a sua difusão. Como a luz chegar até nós através do espaço desde o Sol, os cientistas decidiram que i espaço vazio deveria estar inundado de uma substância muito concreta, a que chamaram de éter.

Tão seguros estavam os físicos de sua teoria, que quiseram medir a velocidade que a terra se move através do éter. E ficou demonstrado que o éter não pode existir. Atualmente se sabe que as ondas de luz são perturbações de um campo eletromagnético que existe independente de outros fenômenos. Mas, para um físico do século XIX, o éter era uma realidade. E ainda existem hoje pessoas que não estão dispostas a renunciar a essa idéia, porque, assim como o éter é invisível, também é o campo eletromagnético que ocupou o seu lugar e que, em princípio, é igualmente um conceito abstrato.

Há pessoas obstinadas em entender a realidade apenas com sia inteligência e senso comum. Por isso combatem até as idéias pessoas obstinadas inteligência e senso comum. Por isso combatem até as idéias geralmente aceitas da Nova Física. A Teoria da Relatividade de Einstein, por exemplo, atrai especial aversão. Passados oitenta anos de sua publicação, as redações de revistas científicas transbordam de textos cujos autores tentam demonstrar algum tipo de erro em Einstein, a fim de poderem regressar ao antigo mundo, tão seguro, de espaço e tempo absolutos. Por trás desses ataques se esconde o sentimento de que o mundo não pode ser como Einstein disse. Porque toda teoria que queira ser aceita tem de ser também simples e compreensível.

Continua após a publicidade

Está comprovado que as teorias científicas, incluindo aquelas extremamente abstratas, abarcam pelo menos uma parte da realidade. Mas será que se pode descobrir toda a verdade com a ajuda da ciência? Para muitos cientistas, suas possibilidades são limitadas quando se trata do amor, da moral ou do sentido da vida. Porque, embora elas sejam parte da realidade, não são objeto da ciência pura. Pode ser que essa circunstância seja a culpada pela corrente anticientífica que hoje se observa na sociedade ocidental: “ Se a ciência não pode responder essas questões profundas, para que serve então?” Semelhante atitude contém o perigo de que a sociedade se afaste da ciência e se incline para outros sistemas de pensamento, que se apóiam no dogma.

Ainda pior é a crescente tendência a continuar utilizando a ciência como procedimento, mas distorcendo-a e manipulando-a até acomodá-la a convicções preconcebidas. Em muitos países o criacionismo oi ciência da criação (que consiste na aceitação literal dos textos bíblicos) se encontra no auge. Também ganham importância a denominada “ciência islâmica” e a “ciência feminista”. Por isso, é necessário afirmar com clareza que só existe “a” ciência e que esta se ocupa da verdade, mesmo limitada, não dos dogmas. Poderá um dia a ciência descrever toda a realidade? Infelizmente, não, posto que a ciência contém sem si mesma uma descrição de sua próprias limitações.

Nos anos 30, os físicos se deixaram influenciar por um movimento filosófico nascido no século XIX denominado positivismo. Para os positivistas a realidade só pode ter raízes naquilo que efetivamente é sujeito a observação. Todavia, os fundadores da mecânica Quântica, entre eles Niels Bohr e Werner Heisenberg, asseguraram que de forma alguma podemos imaginar os átomos ou elétrons como pequenas coisas que existem por sua própria força, independente do mundo restante. A mecânica quântica na atem a ver com coisas, algo que se possa apalpar ou modelar. Apenas permite aos cientistas relacionar diferentes observações dos átomos entre si oi em matérias ainda menores, como procedimento para harmonizar suas observações.

Continua após a publicidade

Assim, quando se utiliza o termo átomo, não se fala de uma coisa, mas de uma valiosa ajuda para expressar em palavras um conceito abstrato. Isso não significa que o átomo exista realmente, que possua um determinado lugar no espaço e se move a uma velocidade determinada. As próprias palavras de Heisenberg explicam do que se trata: “Ocupamo-nos de coisas, fatos ou fenômenos tão reais como qualquer acontecimento da vida diária. Não obstante, os átomos e as partículas elementares não são reais no mesmo sentido. Formam o mundo das potencialidades, não o das realidades tangíveis”. E Bohr disse: “A Física não se ocupa de como é o mundo efetivamente, mas do que podemos dizer sobre o mundo”. Ou seja, o próprio átomo se converteu numa simples chave de um código para um modelo matemático, não em parte realidade. Nem todos os físicos aceitam esse ponto de vista. Para Einstein , por exemplo, o micromundo quântico é feito de objetos tão reais como uma mesa ou uma cadeira. Existe um profundo abismo na comunidade científica sobre a natureza da realidade. Se assim é, que frágil é a pretensão de que a ciência se ocupe de toda a verdade e que só por meio dela se possa encontrá-la. A mecânica Quântica parece mostrar-nos uma fronteira intransponível , além da qual a ciência nada mais pode nos dizer. A mesma Mecânica Quântica faz com que coisas que parecem existir realmente se convertam em simples modelos fantasmas.

Mesmo assim, persiste a ânsia irresistível de saber o que há realmente no mundo. Existirão de verdade os átomos com sua gang de partículas subatômicas? A resposta parece ser talvez; mas a ciência não poderá dizer nunca. Em vista desse limite, pode ser que os homens reneguem o pensamento científico e se voltem para a religião ou para alguma dessas modernas e delirantes ideologias, como a cientologia, o criacionismo ou as idéias de Erich Von Daniken (autor de Eram os deuses astronautas?). Isso seria um erro imperdoável. É melhor aceitar um sistema que contenha sempre algumas dúvidas, que só possa descrever parcialmente a realidade, do que deixar-se cair na aceitação acrítica de um dogma. Naturalmente, isto não quer dizer que não haja um lugar para a religião. Ela tem seu papel, desde que se limite àquelas questões que se encontram fora do horizonte da ciência.

Paul Davies é professor e Física Teórica na Universidade de Newcastle upon Tyne, Inglaterra autor de numerosas obras de divulgação científica

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.