GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Por que cuidamos dos idosos e dos doentes?

Gente frágil e com dificuldade para sobreviver sozinha poderia ser vista como inútil. Mas nossa mente foi projetada para sentir compaixão pelos outros

Texto Giovana Girardi

Sabe a máxima “Não faça aos outros o que não gostaria que fizessem a você”? Pois esse é um dos possíveis motivos. Cuidar de idosos e de doentes é um comportamento movido pelo nosso instinto de moral e por uma capacidade conhecida como “teoria da mente”, por muito tempo vista como unicamente humana. Ela equivale a se colocar no lugar de outra pessoa, e até de outros seres vivos, para imaginar sua dor, seus sentimentos.

Intuir o que se passa com o outro é o que acaba levando à compaixão e, por fim, ao altruísmo sem segundas intenções. Como explica o psicólogo americano Steven Pinker em seu livro Tábula Rasa, “nossa teoria da mente está ligada à nossa habilidade para ter empatia e à nossa concepção de vida e morte (…). É a fonte do conceito de alma. Uma crença na alma, por sua vez, entrelaça-se às nossas convicções morais”. E o cerne da moralidade, continua ele, “é o reconhecimento de que os outros têm interesses tanto quanto nós temos”.

A observação desse tipo de comportamento em nossos primos mais próximos, os bonobos e os chimpanzés, sugere que a atenção com o próximo foi uma característica perpetuada pela evolução, como propõe o primatólogo holandês Frans de Waal em seu livro Eu, Primata.

Coração frágil

Um dos casos que ilustram sua hipótese é o do bonobo Kidogo, que sofria de um problema no coração e foi colocado em um novo zoológico para ser tratado. Confuso pela doença e sem entender os comandos dos tratadores, ele não conseguia nem sequer ir para onde era chamado. Depois de algumas tentativas frustradas, outros bonobos se aproximaram dele e o levaram até onde os veterinários queriam – uma demonstração de que entendiam não só as intenções dos médicos como também a situação do colega. De Waal ainda enumera mais alguns exemplos de bichos e humanos que agem em assistência a outros seres sem pensar em si próprios para concluir que essa é uma tendência que deve ter se originado em ações de reciprocidade e de cuidado com a família, expandindo-se depois para os demais indivíduos.

Estudos do neurocientista brasileiro Jorge Moll Neto sobre altruísmo de certo modo confirmam essa idéia. Em um trabalho publicado na revista científica PNAS, ele sugeriu que o comportamento altruísta ativa o sistema de recompensas do cérebro – área ligada ao prazer. Ele observou que uma doação para uma entidade filantrópica ativava essa região e também o córtex subgenual (envolvido com a formação de laços afetivos, como o que ocorre entre mãe e filho, entre casais e amigos).

Extrapolando um pouco as conclusões do estudo, Moll Neto propôs uma explicação evolutiva para o altruísmo. Ele usa como exemplo as primeiras sociedades tribais, em que as pessoas tinham even-tualmente de se juntar para construir algo para a comunidade nascente. “Podemos deduzir que o sistema de apego foi remodelado de modo a nos envolvermos com causas abstratas. Acredito que isso foi fundamental para a estabilização da espécie. Nossa sobrevivência individual dependeu de a gente cooperar com o grupo.”

US$ 300 milhões é o valor aproximado anual de doações para caridade feitas nos EUA, o país do mundo que mais faz esse tipo de contribuição aos necessitados.