Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Reinado em miniatura

Um microscópio eletrônico de varredura, a mais avançada técnica de micrografia, penetra os canteiros de um jardim. Sua missão: revelar criaturas de formas e cores impressionantes, que mal conseguimos ver a olho nu

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h48 - Publicado em 30 set 2000, 22h00

José Augusto Lemos

Há mais de 350 000 espécies de besouros sobre a Terra

O dono do mundo

Existem mais de 350 000 espécies conhecidas de besouros, mais que qualquer outra ordem de animais na Terra. Este aqui, o Sinodendron cylindricum, é um dos mais bem-servidos no quesito chifre, seu charme número um na hora de atrair parceiros para o acasalamento. Já as antenas são seu órgão de olfato!

Louca por repolho

Larva de uma grande borboleta branca (Pieris brassicae), esta lagarta faz verdadeiros estragos nas plantações de repolho – quase que seu único alimento. Ao mesmo tempo, consegue se manter bem protegida dos predadores, que simplesmente detestam a textura de sua pele cheia de pêlos.

Papa-broto

Os jardineiros europeus detestam o mosquito Tipula maxima. Afinal, seu prato predileto são os brotos mais tenros e novinhos. Outra característica sua são os halteres, bastões que o ajudam a manter o equilíbrio.

Cascudo enrolado

Tatuzinhos como o Cylindroiulus londinensis desta foto não são insetos e sim crustáceos, a mesma classe da lagosta e do caranguejo. Basta se sentir ameaçado que ele se enrola em uma bola compacta e encouraçada. Aqui ainda dá para ver a cabeça, com a antena dobrada da mesma maneira que as pernas.

Rala-rala

Continua após a publicidade

A lesma Agriolimax laevis tem dois tipos de tentáculos: os maiores, no alto da cabeça, servem de olhos, enquanto os menores, logo abaixo, funcionam como sensores tácteis. A língua do bicho também é especial: rala a comida como uma lima, transformando tudo em patê.

Inseto beija-flor

Para se alimentar, a mosca Rhingia campestris faz como os colibris, os helicópteros e Dadá Maravilha. Batendo as asas em alta velocidade, paira suspensa no ar. Aí então, suga a flor até a última gota de seu néctar.

Salto mortal

A aranha Salticus scenicus não usa a teia para agarrar sua presa – simplesmente salta sobre ela. A foto mostra o quanto ela está bem equipada para caçar e matar. Dá para ver seis de seus oito olhos, além das temíveis quelíceras: mandíbulas em forma de garra que – surpresa! – também se transformam em órgãos sexuais no macho adulto.

Espírito comunitário

A vespa comum (Vespula vulgaris) é, como as formigas e as abelhas, um inseto social, que vive em colônias de milhares de indivíduos. As três bolinhas que vemos no topo da cabeça são os ocelos. Ao contrário de seus dois grandes olhos, estes órgãos pequeninos são sensíveis à luz mas não formam imagens, apenas ajudam a ampliar o campo de visão.

Cabra-cega

O corpo da centopéia (Lithobius sp.), ou lacraia, divide-se em vários segmentos – de 12 a mais de 100. Cada um deles inclui um par de pernas, sendo que no primeiro, junto à cabeça, elas se transformam em garras pontudas e venenosas. Como não dispõe de olhos, esta caçadora implacável localiza a presa usando as antenas longas e hipersensíveis, vistas aqui em primeiro plano.

Uma antena lava a outra

A formiga Lasius niger é flagrada aqui carregando na boca um pulgão-da-roseira (Macrosiphon rosae). Os dois insetos cultivam uma relação simbiótica: o maior junta rebanhos do menor como se fosse gado, para extrair dele uma secreção adocicada chamada “orvalho de mel”. Em troca, protege o pulgão eliminando os ovos de predadores como a joaninha.

ja.lemos@abril.com.br

Continua após a publicidade
Publicidade