Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Um golpe com a cauda destes dinossauros poderia atingir 100 km/h

Um novo estudo desmentiu a teoria de que o rabo da família dos diplodocos era capaz de quebrar a barreira do som – e fez uma estimativa mais realista do poder desse "chicote".

Por Leo Caparroz
Atualizado em 13 dez 2022, 19h40 - Publicado em 13 dez 2022, 19h38

Imagine receber uma bofetada a 100 quilômetros por hora. O estrago seria grande. Imagine, então, se fosse a cauda de um dinossauro gigante – perda total. Segundo um recente estudo, publicado na revista Scientific Reports, essa era uma habilidade dos diplodocídeos,  grupo de dinossauros de pescoço longo que inclui alguns dos maiores animais pré-históricos.

Esses dinos são parte do clado dos saurópodes e viveram durante o Jurássico Médio até o Cretáceo Inferior (174 milhões a 101 milhões de anos atrás). Alguns de seus representantes mais comuns são o diplodoco, o apatossauro e o brontossauro.

Examinando fósseis de cinco diplodocídeos diferentes, os pesquisadores criaram um modelo digital de uma cauda com aproximadamente 12 metros de comprimento, 1.5 tonelada e 82 vértebras para imitar o rabo que esses dinossauros teriam no passado.

Mas o objetivo não era apenas criar esse modelo. Os pesquisadores queriam por à prova uma antiga pesquisa, que afirmava que a cauda de um apatossauro era capaz de quebrar a barreira do som (1.216 km/h).

Os caçadores de mitos

Nesse estudo, os cientistas usaram um modelo físico, feito de alumínio, aço, neoprene e teflon, que media 3,6 m e pesava 20 kg. Mas ela tinha problemas: pelas dimensões reduzidas do modelo da cauda, houve críticas de que ele talvez não fosse uma representação fiel.

Para construir o modelo digital, os cientistas do novo estudo foram atrás dos (poucos) registros de espécimes disponíveis – apenas dois dois tinham caudas completas, que poderiam ser usadas na pesquisa. Depois da coleta dos dados, eles criaram um modelo para tentar replicar os resultados da outra pesquisa.

Continua após a publicidade

Após a coleta dos dados e da construção do modelo, eles o colocaram em condições similares ao estudo anterior, numa tentativa de replicar os resultados. Mas não rolou: a nova cauda foi incapaz de ultrapassar a barreira do som. Ao ser forçada a chicotear a uma velocidade tão alta, ela não aguentou e quebrou.

“Provavelmente a falha foi causada pelos tecidos moles que conectam cada uma das vértebras da cauda, que incluem os diferentes músculos, tendões, ligamentos e pele”, afirma Simone Conti, principal autor do estudo. “Sempre que a simulação falhava, notávamos que a cauda do modelo não conseguia simular as articulações entre as vértebras e se esticava demais. Atingir velocidades tão altas tinha suas limitações, e eles não conseguiam lidar com movimentos tão rápidos e perdíamos pedaços da cauda.”

Conti chamou atenção para a interdisciplinaridade desse novo estudo, que pega recursos da engenharia aeroespacial e os aplica na paleobiologia.

“Não foram feitos muitos estudos usando esses métodos”, disse Conti. “Na engenharia aeroespacial, é comum testar partes de aviões para ver quanto estresse as estruturas podem suportar. Queríamos testar a mesma abordagem, mas em materiais orgânicos de animais. Não é comum ver a engenharia aeroespacial e a paleontologia trabalhando juntas.”

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.