Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Alexandre Versignassi

Por Alexandre Versignassi
Blog do diretor de redação da SUPER e autor do livro "Crash - Uma Breve História da Economia", finalista do Prêmio Jabuti.
Continua após publicidade

Ano Novo, um presente da Suméria para você

As festas de fim de ano provavelmente começaram como uma forma de calibrar a contagem dos ciclos do Sol e da Lua.

Por Alexandre Versignassi Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 27 dez 2019, 18h06 - Publicado em 29 dez 2017, 12h48

Existe um planeta em que o Ano Novo nunca cai a mesma data. Pode ser em dezembro, em julho, em março. Esse planeta é a Terra mesmo. E não estamos falando só do óbvio, o de que tem Ano Novo chinês, judaico, islâmico, polinésio. Só o Ano Novo muçulmano já cai sozinho numa data de cada vez.

Em 2008, a chegada do ano 1430 do islamismo foi comemorada em 29 de dezembro. Em 2009, o réveillon foi em 18 de dezembro. Em 2012, 15 de novembro. Em 2017, 21 de setembro. É que o ao islâmico não tem 365 dias. Tem 354.

Não se trata de uma arbitrariedade, claro. A tradição árabe não leva em conta o ano solar, que é o tempo que a Terra leva para dar uma volta em torno do Sol, mas o ano lunar, que corresponde a 12 ciclos da Lua. Os 12 ciclos de nova, crescente, cheia e minguante levam 354 dias (11 a menos que o ano solar). Logo, cada Ano Novo deles cai sempre 11 dias antes do anterior pelo calendário gregoriano. No limite, eles chegam a comemorar dois reveillons dentro de um ano dos nossos. Aconteceu em 2008, quando um Ano Novo caiu em janeiro e o outro, em dezembro.

A proximidade entre a duração de um ano solar e o de 12 ciclos lunares foi justamente o que fez praticamente todas as culturas humanas dividirem o ano em 12 meses, e cada mês em quatro semanas, com cada uma marcando mais ou menos uma fase da Lua. Os 11 dias de perda a cada ano, porém, criam um problema para quem só leva em conta a Lua: chega uma hora em que os meses do ano acabam caindo em estações diferentes. Se o nosso calendário fosse assim, daqui a algum tempo janeiro cairia no inverno e junho, no verão.

Continua após a publicidade

Esse certamente foi um dilema na aurora da civilização. Se você contasse só pela Lua, perderia a conta das estações. Se contasse apenas pelo Sol, deixaria de ter o relógio lunar. A primeira grande solução que se tem notícia começou justamente na primeira das grandes civilizações humanas – a Suméria, que floresceu por volta de 4 mil a.C. onde hoje fica o sul do Iraque. Além de criar a escrita, dando o ponta-pé inicial naquilo que chamamos de “história”, os Sumérios criaram uma festa peculiar: o Akitu, que consistia em 11 dias de comemoração pelo Ano Novo.

Com esses dias de comemoração fora do calendário, você só começava a contar o ano seguinte 11 dias depois do fim do ano lunar, de 354 dias. 354 + 11 = 365. Pronto. A festa ajustava o calendário com os ciclos do Sol, e os meses permaneciam caindo sempre dentro das mesmas estações. Não há registro de que o Akitu ou as festas ainda mais antigas que lhe deram origem serviam exatamente para isso. Mas, dada a coincidência numérica, é extremamente provável.

Lá pelo ano 2000 a.C., os babilônios, herdeiros dos sumérios, passaram a adicionar um mês extra a cada três anos para manter a sincronia sem quebrar o calendário. Essa forma de contar os anos, calibrando os ciclos solares e lunares com um mês a mais de tempos em tempos, segue viva até hoje. Ela está no calendário judaico, criado com base no da Babilônia, e que trás um décimo-terceiro mês a cada três anos (a cultura judaica é tão filhote da babilônica quanto a romana é da grega – até os nomes de alguns meses é o mesmo).

Continua após a publicidade

O Ano Novo da Suméria acontecia em março, na época da colheita de cevada por lá. O judaico é em setembro (ou em outubro, dependendo do ano), marcando a época de plantar sementes. No norte da Europa, também comemoram essa temporada, mas com o nome de oktoberfest. Já o nosso fim de ano é em dezembro para bater com outra comemoração, a do solstício de inverno – o momento em que os dias começam a ficar novamente mais longos na parte de cima do globo, e que é tradicionalmente na última semana de dezembro (desde milênios antes do nascimento de Jesus, como todo mundo a essa altura já deve saber).     

O calendário ocidental, que remonta à fundação de Roma, desencanou da Lua. Ele é 100% solar – os dias extras a cada 4 anos existem para equilibrar a duração do ano com precisão astronômica, já que um ano não dura 365 dias, mas 365,25; outra história, enfim.

O ponto é que a tradição de comemorar os finais de ano como uma pausa de vários dias provavelmente começou como uma forma de adequar os ciclos do Sol e os da Lua nos calendários das primeiras civilizações agrícolas. Se você está de folga nesses dias, faça um brinde a elas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.