Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Alexandre Versignassi

Por Alexandre Versignassi Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do diretor de redação da SUPER e autor do livro "Crash - Uma Breve História da Economia", finalista do Prêmio Jabuti.
Continua após publicidade

Como o analfabetismo econômico deixou a Venezuela sem papel higiênico

O governo da Venezuela ordenou a ocupação de uma fábrica de papel higiênico: a da Kimberly-Clark – aquela mesma marca americana que você vê em todo banheiro de rodoviária no Brasil. A Kimberly da Venezuela tinha fechado as portas. Maduro reabriu, nacionalizou a fábrica e pôs os operários para trabalhar. À primeira vista, parece um […]

Por Alexandre Versignassi Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 21 dez 2016, 08h51 - Publicado em 14 jul 2016, 12h57

Vintage blue tile on a bathroom wall with only one piece of toilet paper left on the roll.

O governo da Venezuela ordenou a ocupação de uma fábrica de papel higiênico: a da Kimberly-Clark – aquela mesma marca americana que você vê em todo banheiro de rodoviária no Brasil.

A Kimberly da Venezuela tinha fechado as portas. Maduro reabriu, nacionalizou a fábrica e pôs os operários para trabalhar. À primeira vista, parece um ato heroico, até.

Mas não. Claro que não: a Kimberly não fechou por ordens do FBI, mas porque não fazia mais sentido manter uma empresa funcionando no país. Tudo porque o governo Maduro já tinha transformado a moeda venezuelana em notas de banco imobiliário.

O lastro da moeda deles era o petróleo – responsável por 90% das exportações da Venezuela. Com o colapso no preço do barril, a entrada de dólares minguou. O governo continuou fabricando bolívares, a moeda local, a rodo para bancar suas contas, cada vez mais gordas (quanto mais o seu governo estatiza, mais ele gasta). Resultado: com muito bolívar e pouco dólar no mercado, o preço da moeda americana começou a tender ao infinito. Junto com o dólar, sobem todas as outras moedas, incluindo o real. E as empresas da Venezuela passaram a ter dificuldade para importar qualquer tipo de matéria prima.

Continua após a publicidade

Não é só isso. O excesso de moeda local na praça também levou a inflação ao infinito (ela está em 500% agora, e a previsão para 2017 é de 1600%). Para combater a inflação, o governo decidiu tabelar os preços no varejo. Parece ok, mas equivale a matar a vaca para acabar com o carrapato: se o preço da matéria-prima só aumenta lá atrás (e não dá para congelar preço de matéria prima importada, como a que vai no papel higiênico, ou no pão), acaba-se o mundo: ninguém produz mais nada. Até por isso nenhum país digno de ter uma bandeira congela preço mais – Brasil incluído.

Vale lembrar que, entre as tragédias venezuelanas, não há embargo: o maior parceiro comercial de Maduro segue sendo os americanos. Eles compram 40% de tudo o que a Venezuela exporta – e quem sempre saiu no lucro foi o governo bolivariano, que nunca experimentou um déficit comercial com os EUA.

O problema da Venezuela foi outro: analfabetismo econômico – a doença que mais mata no mundo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.