Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Alexandre Versignassi

Por Alexandre Versignassi
Blog do diretor de redação da SUPER e autor do livro "Crash - Uma Breve História da Economia", finalista do Prêmio Jabuti.
Continua após publicidade

Do salgueiro à aspirina

O analgésico mais popular da história já existe, de certa forma, há mais de 5 mil anos. E só recentemente descobriram uma segunda, e importante, função para ele. Veja o que isso tem a ver com os avanços mais recentes da farmacologia.

Por Alexandre Versignassi Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 19 Maio 2023, 10h06 - Publicado em 19 Maio 2023, 10h04

A escola onde cursei o ensino médio tinha um gramado. E no meio do gramado tinha um chorão. A árvore nos fornecia alívio térmico, com sua sombra, e estético também. Quando você senta debaixo de um salgueiro-chorão, vê um matagal bruxuleante de cabeça para baixo, formado pelas folhas esguias que descem lá de cima. Mágico.

E a real é que esse tipo de árvore traz outros alívios também. A casca do tronco dela funciona como analgésico. Não se trata de uma descoberta recente. A Suméria, civilização que inventou a escrita por volta de 3.500 a.C., deixou registros do uso de casca de chorão para acalmar a dor. Egípcios, chineses e gregos antigos também deixaram suas receitas para o uso medicinal da planta.  

O princípio ativo ali só seria descoberto em 1828. Foi quando o farmacêutico alemão Johann Buchner encontrou um composto peculiar na casca: cristais amarelos que ele batizou como “salicina” (numa derivação de “Salix”, o gênero do salgueiro-chorão).

Farmacêuticos do século 19 aproveitaram para criar um analgésico melhor com base nos cristais. Produziram, então, o ácido salicílico – mais forte, mas que trazia o inconveniente de irritar o estômago. A Bayer daria um tapa extra. Essa farmacêutica alemã desenvolveu uma versão mais amiga do trato gastrointestinal: o ácido acetilsalicílico. E em 1899 ele chegaria às prateleiras com seu nome comercial: “Aspirina”. Nascia ali o remédio mais vendido da história.  

Continua após a publicidade

Quase um século depois, com a pesquisa científica a todo vapor, viria outra descoberta: a Aspirina não era útil apenas contra a dor. Ela também tinha a propriedade de prevenir doenças cardiovasculares, pois evita a formação de coágulos na corrente sanguínea (“afina o sangue”, em linguagem popular).

Nisso, um remédio cujas raízes remontam ao início da civilização ganhava outro uso. Quem passa por uma situação parecida hoje é um medicamento desenvolvido há poucos anos, pela farmacêutica dinamarquesa Novo Nordisk: a semaglutida.

Continua após a publicidade

O Ozempic, nome comercial do primeiro remédio à base desse princípio ativo, foi aprovado em 2017 nos EUA (e em 2018 no Brasil) para o controle de diabetes tipo 2. Mas não demorou para que um efeito coadjuvante ali chamasse a atenção: a perda de peso. Nisso, médicos passaram a receitar Ozempic a quem não tem diabetes, como um remédio antiobesidade mesmo, de forma off label – ou seja, para uma função fora da bula. E o tratamento virou febre.

Mais recentemente, a Novo Nordisk emplacou outro remédio à base de semaglutida – agora voltado diretamente para quem quer perder peso: o Wegovy (já aprovado pela Anvisa para este fim e que chega ao Brasil no segundo semestre).

Na reportagem de capa deste mês, o editor Bruno Garattoni e o repórter Tiago Cordeiro mostram com riqueza de detalhes como a semagutida funciona e quais são as pedras no caminho para quem se trata com ela. Todo medicamento, afinal, traz seus riscos. E o papel do jornalismo científico é explicá-los de forma clara, sóbria. Boa leitura.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.