Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Bruno Garattoni
Vencedor de 15 prêmios de Jornalismo. Editor da Super.
Continua após publicidade

Governo chinês autoriza uso da primeira vacina inalável contra a Covid. Mas há um porém

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 5 set 2022, 18h28 - Publicado em 5 set 2022, 16h22

Convidecia Air tem método de aplicação parecido com as bombinhas de asma, e gera 9x mais anticorpos do que a Coronavac; vacinas inaláveis são a principal aposta para impedir a transmissão do Sars-CoV-2, mas estudo chinês deixa pontos críticos em aberto

A maioria das vacinas, incluindo as da Covid, é aplicada num músculo do braço. Essa parte do corpo é a escolhida por três motivos: o braço é de fácil acesso, as fibras musculares retêm a vacina, evitando que ela se disperse, e o músculo possui células dendríticas. Essas células são as responsáveis por colher uma amostra do elemento invasor (no caso das vacinas da Covid, a proteína spike, os “espetos” do Sars-CoV-2) e carregá-lo até os nódulos linfáticos, onde ele é analisado e o corpo prepara uma resposta, fabricando células de defesa e anticorpos especialmente adaptados para combater o vírus.

É um mecanismo sofisticado e genial (que explicamos em mais detalhes na reportagem “O futuro da Covid”, publicada em fevereiro). Mas também há um problema. As vacinas da Covid induzem a produção de anticorpos IgG e IgM (imunoglobulinas G e M), que ficam circulando no sangue. Só que o coronavírus entra pelas mucosas, do nariz ou da garganta – elas têm um mecanismo de defesa próprio, o “sistema imunológico mucosal”, e trabalham com outro tipo de anticorpo, o IgA.

É por isso que as vacinas atuais evitam a Covid grave (os anticorpos e as células de defesa impedem a proliferação do vírus nos pulmões), mas não conseguem impedir que você pegue o Sars-CoV-2. Para isso, seria preciso ter anticorpos IgA presentes na mucosa do nariz e da garganta.

Em tese, os IgA podem induzir a chamada “imunidade estéril”, em que o vírus não consegue nem se instalar nas vias aéreas superiores, muito menos se reproduzir no corpo. Com isso, seria possível quebrar a cadeia de transmissão do Sars-CoV-2 – e erradicar o coronavírus.  

Mas a única forma de induzir anticorpos mucosais é com uma vacina inalável: um spray, esguichado nas narinas ou aspirado pela boca. As vacinas desse tipo são difíceis de desenvolver, por várias razões (o muco nasal encharca e remove as partículas do produto), e até ontem existia apenas uma aprovada para uso humano: a FluMist, criada em 2003 pela empresa americana MedImmune, contra a gripe comum. 

Continua após a publicidade

Hoje, isso mudou: a NMPA, agência do governo chinês que regula medicamentos no país, autorizou o uso da vacina nasal Convidecia Air, desenvolvida pela empresa CanSinoBIO.

A nova vacina é uma versão aspirável da Convidecia “normal” – que é uma vacina de vetor viral, como a da AstraZeneca (ela contém um adenovírus modificado, que carrega a proteína spike do Sars-CoV-2), e em maio recebeu da OMS autorização para uso emergencial.  

A versão inalável estava em testes clínicos desde o início de julho – e, em agosto, os pesquisadores da CanSino publicaram os primeiros resultados no jornal científico Lancet (com revisão por cientistas independentes). A nova vacina foi testada, como dose de reforço, em 420 chineses que haviam recebido duas doses de Coronavac. 

gráfico
Nível de anticorpos neutralizantes gerados 14 e 28 dias após uma dose de reforço da Convidecia Air (em azul e verde), ou da Coronavac (vermelho). Os anticorpos só foram testados contra a variante Delta. (The Lancet/Reprodução)

Parte deles tomou mais uma dose de Coronavac; os demais receberam a Convidecia Air. Resultado: a vacina nasal induziu 9 vezes mais anticorpos, na corrente sanguínea, do que o reforço de Coronavac. Percebeu o problema? Na corrente sanguínea. Infelizmente, o estudo não mediu os anticorpos presentes na mucosa nasal – justamente a grande promessa das vacinas inaláveis. 

Continua após a publicidade

Há outro grande porém: a Convidecia Air não foi testada contra a variante Ômicron, só contra a Delta. É bem provável que ela, assim como as vacinas atuais, tenha menos força contra a Ômicron (já que, como elas, é baseada na proteína spike original, não na versão mutada presente na Ômicron). Na semana passada, a FDA liberou as primeiras vacinas atualizadas contra a Ômicron, que começarão a ser aplicadas nos EUA nos próximos dias.

O estudo chinês também não avaliou se os voluntários vacinados com a Convidecia Air efetivamente ficaram protegidos contra a Covid (se houve menos casos da doença entre eles, e qual a intensidade dos sintomas). Só colheu amostras de sangue, e testou a reatividade dos anticorpos. 

Mesmo assim, a Convidecia Air pode representar um avanço importante – tanto para a China (que ainda não possui vacinas de mRNA, as mais eficazes) quanto para a ciência, que finalmente começa a progredir no desenvolvimento de vacinas aspiráveis. 

Em agosto o laboratório indiano Bharat Biotech, criador da vacina injetável Covaxin, anunciou que sua vacina nasal, com nome provisório de BBV154, completou com sucesso os testes clínicos de Fase 3 – a última necessária antes da aprovação pelas autoridades. 

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.