Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Bruno Garattoni

Por Bruno Garattoni
Vencedor de 15 prêmios de Jornalismo. Editor da Super.
Continua após publicidade

Governo dos EUA compra toda a produção mundial de remdesivir

Durante os próximos três meses, pelo menos, país terá monopólio global sobre esse medicamento - o primeiro e único a ser aprovado, até hoje, para tratar casos graves de Covid-19

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 1 jul 2020, 18h50 - Publicado em 1 jul 2020, 16h30

Durante os próximos três meses, pelo menos, país terá monopólio global sobre esse medicamento – o primeiro e único a ser aprovado, até hoje, para tratar casos graves de Covid-19 

O antiviral remdesivir chamou a atenção da comunidade científica em maio, quando um estudo realizado pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) dos EUA com 1.059 pacientes mostrou que a droga reduzia em 26% o tempo médio de internação em casos graves de Covid-19 (de 15 para 11 dias). Nesse mesmo estudo, o medicamento também provocou redução na taxa de mortalidade dos pacientes, que caiu de 11,9% para 7,1%. 

Não são resultados milagrosos, mas são sólidos – e levaram o médico americano Anthony Fauci, diretor do instituto, a comparar o estudo ao primeiro teste que demonstrou eficácia do antiviral AZT, em 1986, contra o vírus da aids. O AZT obteve resultados modestos, mas foi um ponto de partida para os coqueteis de antivirais que acabaram conseguindo controlar o HIV. Com o remdesivir, pode acontecer a mesma coisa: já estão em andamento estudos que avaliam a combinação desse medicamento com outras drogas. 

Mas o acesso de cientistas e pacientes à droga, que foi desenvolvida pela empresa americana Gilead Sciences (inventora do antiviral Tamiflu, que depois foi licenciado para a multinacional Roche), poderá ser drasticamente reduzido. Isso porque o governo dos EUA adquiriu 500 mil doses do remédio, o que corresponde a 100% da produção de julho e mais de 90% da esperada para agosto e setembro. Durante os próximos três meses, médicos e pesquisadores de outros países não terão como comprar remdesivir, cuja produção é lenta e complexa.

Continua após a publicidade

O processo inclui 70 ingredientes, que são combinados em 25 etapas delicadas (um dos reagentes utilizados explode se entrar em contato com o ar) e demoradas: a produção de cada lote da droga leva em média seis meses. A Gilead foi capaz de fornecer o remdesivir para vários países, durante o primeiro semestre de 2020, porque tinha estoques do medicamento e também começou a produzir mais, de maneira emergencial, já no começo de janeiro. 

O remdesivir foi criado em 2009, para tratar a hepatite C, e chegou a ser testado contra o ebola, em 2018, mas não demonstrou eficácia contra essas doenças. O sucesso contra o Sars-CoV-2 reacendeu o interesse sobre a droga – que, até o momento, é a única aprovada pelas autoridades regulatórias dos EUA, do Japão e da Inglaterra para tratar a Covid-19 (e também tem sido usada, de forma experimental, em diversos outros países).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.