Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Bruno Garattoni

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Vencedor de 15 prêmios de Jornalismo. Editor da Super.
Continua após publicidade

OMS aconselhou Ucrânia a destruir vírus e bactérias usados em ‘biolaboratórios’

Medida visa a evitar o vazamento de patógenos perigosos, diz entidade; pelo menos um laboratório, em Odessa, foi construído e era operado com a ajuda dos EUA; Rússia diz que objetivo era o desenvolvimento de armas biológicas; caso irá ao Conselho de Segurança da ONU

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 11 mar 2022, 15h36 - Publicado em 11 mar 2022, 15h12

Medida visa a evitar o vazamento de patógenos perigosos, diz entidade; pelo menos um laboratório, em Odessa, foi construído e era operado com a ajuda dos EUA; Rússia diz que objetivo era o desenvolvimento de armas biológicas; caso irá ao Conselho de Segurança da ONU

“A OMS recomendou fortemente que o Ministério da Saúde da Ucrânia e outros órgãos responsáveis destruam patógenos de alto risco para prevenir quaisquer possíveis vazamentos”, afirmou a entidade em nota enviada à agência de notícias Reuters. A OMS não diz quais patógenos seriam esses, nem quando recomendou ao governo ucraniano que eles fossem destruídos. Mas sua declaração coloca lenha na fogueira do caso, em que a Rússia tem acusado a Ucrânia de manter laboratórios para o desenvolvimento de armas biológicas. 

Na última terça-feira (8), a subsecretária de Estado dos EUA, Victoria Nuland, foi sabatinada pelo Congresso americano. Perguntada se a Ucrânia tem armas químicas ou biológicas, ela não confirmou nem negou: “A Ucrânia tem instalações de pesquisa biológica, com as quais nós estamos bastante preocupados, que tropas russas possam tentar assumir o controle delas. Nós estamos trabalhando com os ucranianos para impedir que esses materiais de pesquisa caiam nas mãos das forças russas.”

Os americanos financiam pesquisas biológicas na Ucrânia pelo menos desde o ano de 2005, quando os dois países assinaram um tratado a respeito. O documento prevê a realização de pesquisas do tipo – sob a supervisão dos EUA, que forneceriam “material (incluindo equipamentos, instrumentos e outros insumos), treinamento de pessoal e serviços”. 

Continua após a publicidade

O objetivo, segundo o acordo, é “exclusivamente prevenir a proliferação da tecnologia, patógenos e expertise localizados em instalações na Ucrânia, e que poderiam ser usados no desenvolvimento de armas biológicas”. Em suma: o documento proíbe o uso de patógenos perigosos como armas, mas permite que eles sejam estudados em laboratório.

Destaque em documento oficial do Departamento de Estado dos Estados Unidos.
Trecho do tratado 05-829, que trata do desenvolvimento de patógenos e foi assinado pelos EUA e pela Ucrânia em 2005. (U.S. Department of State/Montagem sobre reprodução)

Em 2010, um laboratório de pesquisas biológicas foi construído em Odessa, a terceira maior cidade do país, com recursos do Cooperative Threat Reduction Program (CTR), um programa americano criado após o fim da URSS. Oficialmente, o CTR tem o objetivo de desmontar e controlar armas nucleares, químicas e biológicas que haviam sido desenvolvidas pela União Soviética.

Continua após a publicidade

O laboratório de Odessa possui certificação de biossegurança nível 3 (BSL-3), o segundo nível mais alto que existe. Os BSL-3 são aptos a trabalhar com patógenos letais e que se espalham pelo ar, como antraz, toxina botulínica, bactérias como a Y. pestis (que causa a peste negra) e a B. abortus (que causa a brucelose), bem como coronavírus e hantavírus. 

A Rússia afirma que, além do centro de Odessa, a Ucrânia possui biolaboratórios em Kiev e Kharkov – e os três realizaram pesquisas com fins militares. Uma delas, segundo a Rússia, teria o objetivo de “estudar o espalhamento de infecções, como o vírus H1N1, por meio de aves migratórias”. O Ministério da Defesa russo apresentou supostas provas disso, mas não há como verificar sua autenticidade.

A Rússia pediu uma reunião do Conselho de Segurança da ONU nesta sexta-feira (11) para discutir o assunto. A China também se manifestou sobre o tema, acusando os EUA de manter 336 biolaboratórios em 30 países, incluindo a Ucrânia, e pedindo que as informações sobre eles sejam divulgadas. “As atividades biológicas com fins militares dos EUA na Ucrânia são apenas a ponta do iceberg”, disse Zhao Lijian, porta-voz do ministério das relações exteriores chinês. 

Continua após a publicidade

Lijian não mencionou um caso célebre: o National Institutes of Health (NIH), do governo americano, financiava pesquisas com patógenos no Instituto de Virologia de Wuhan (WIV), até hoje envolto na polêmica sobre a origem do Sars-CoV-2.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.