Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Bruno Garattoni

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Vencedor de 15 prêmios de Jornalismo. Editor da Super.
Continua após publicidade

Pfizer testa remédio que impede a replicação do coronavírus no organismo

Antiviral entra na última fase de testes em humanos, e pode ser lançado ainda este ano; droga inibe uma enzima essencial para o Sars-CoV-2 e será administrada em conjunto com o ritonavir, hoje usado contra o HIV

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 28 set 2021, 16h27 - Publicado em 28 set 2021, 16h22

Antiviral entra na última fase de testes em humanos, e pode ser lançado ainda este ano; droga inibe uma enzima essencial para o Sars-CoV-2 e será administrada em conjunto com o ritonavir, hoje usado contra o HIV

A nova droga, cujo nome provisório é PF-07321332, começou a ser aplicada em voluntários em março deste ano, quando começaram os testes clínicos de Fase 1 (cujo objetivo é verificar a segurança de um medicamento). Ela passou nesses testes, e ontem a Pfizer anunciou o início dos testes Fase 2/3, que irão avaliar a eficácia da droga num grupo de até 2.660 pessoas. Se eles derem certo, a empresa irá pedir uma “autorização de uso emergencial” à FDA, o que permitiria colocar o remédio no mercado até o final do ano.

O PF-07321332 inibe a protease, uma enzima essencial para a replicação do coronavírus. Quando ele invade uma célula, seu RNA é transformado em um polipeptídeo: uma longa cadeia de aminoácidos, contendo todo o material genético do vírus. Para que essa cadeia dê origem a um novo vírion (unidade do vírus), ela precisa ser cortada em pedaços – e quem faz isso é a protease. Mas o medicamento se conecta a essa enzima, impedindo que ela realize os cortes. Dessa forma, o Sars-CoV-2 não consegue se replicar. 

Trata-se de um mecanismo de ação totalmente diferente do molnupiravir, que está sendo desenvolvido pelo laboratório Merck (conhecido como Merck Sharp & Dohme fora dos EUA) e provoca erros de cópia no Sars-CoV-2 – mas, segundo um estudo, também faz isso no código genético de células, o que pode ser um problema. Os inibidores de protease, como o PF-07321332, são uma classe de medicamentos consagrada – eles já são utilizados contra o vírus da hepatite C e o HIV.

Continua após a publicidade
desenho
Estrutura molecular do PF-07321332, medicamento que impede a reprodução do coronavírus no organismo; droga funciona bloqueando a ação da protease, uma enzima essencial para o Sars-CoV-2 (Pfizer/Reprodução)

A Pfizer irá testar seu novo medicamento em combinação com o ritonavir, um inibidor de protease que faz parte do “coquetel” de medicamentos anti-HIV. O vírus da Aids é tratado com um conjunto de remédios por dois motivos: cada droga ataca um estágio da replicação ou elemento do vírus, e a associação de várias delas torna mais difícil que o HIV desenvolva resistência. No caso do coronavírus, o ritonavir (que não funciona, isoladamente, contra o Sars-CoV-2) servirá para potencializar a ação do PF-07321332. A combinação é administrada por via oral, em cápsulas. 

Se ela se mostrar eficaz e chegar ao mercado, será usada na “profilaxia pós-exposição”: os pacientes irão receber o tratamento assim que tiverem confirmado o diagnóstico de Covid, evitando que a doença progrida. O estudo da Pfizer também vai avaliar a eficácia do remédio na prevenção de contágio, em pessoas que moram com um indivíduo infectado (e poderiam tomar a droga para não contrair o vírus).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.