Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Bruno Garattoni

Por Bruno Garattoni
Vencedor de 15 prêmios de Jornalismo. Editor da Super.
Continua após publicidade

Terceira dose da vacina tem disputa entre ciência, política e interesses econômicos

Europa começa a oferecer reforço das vacinas para certos grupos, mesmo sem comprovação científica, e já tem contratos para mais 1,9 bilhão de doses; países ricos vivem superoferta de vacinas, e indústria farmacêutica defende a aprovação de dose adicional

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 3 ago 2021, 20h59 - Publicado em 3 ago 2021, 16h25

Europa começa a oferecer reforço das vacinas para certos grupos, mesmo sem comprovação científica, e já tem contratos para mais 1,9 bilhão de doses; países ricos vivem superoferta de vacinas, e indústria farmacêutica defende a aprovação de dose adicional

A Alemanha anunciou que, a partir do dia 1 de setembro, irá oferecer uma terceira dose das vacinas da Pfizer e da Moderna para idosos e pessoas imunodeprimidas (com doenças que enfraquecem o sistema imunológico). O país segue o exemplo de Israel, que na semana passada começou a aplicar a terceira dose em pessoas acima de 60 anos, e da Rússia, que desde julho oferece o reforço para quem se vacinou há mais de seis meses – mesma regra adotada pelos Emirados Árabes. A França, que já oferece a terceira dose para imunodeprimidos, pretende estendê-la ao público acima de 75 anos. O Reino Unido, que recentemente abandonou as máscaras e as restrições sanitárias, é o mais agressivo: a partir de setembro, quer aplicar o reforço em todos os cidadãos acima de 50 anos

Há um movimento rumo à terceira dose. Mas não existem evidências científicas, hoje, provando que ela seja realmente necessária. Vários estudos constataram que, alguns meses após a vacinação, os níveis de anticorpos caem – mas isso é normal e esperado. Ao mesmo tempo, há estudos comprovando que todas as vacinas (inclusive a Coronavac, que costuma ter menos dados publicados) são capazes de construir memória imunológica, ou seja, preparam o organismo para que ele volte a produzir anticorpos contra o coronavírus em caso de infecção. Sabe quando você lê uma notícia dizendo que a terceira dose da vacina X “aumenta muito os níveis de anticorpos”? É a memória imunológica funcionando: o corpo produz mais anticorpos justamente porque “lembra” do antígeno (a proteína spike ou o vírus inativado contidos nas doses anteriores da vacina). 

Talvez até tenhamos de tomar uma terceira dose da vacina, ou mesmo um reforço todos os anos; mas, com o que a ciência sabe hoje, não é possível afirmar isso. A resposta só virá com o tempo. Se o número de hospitalizações e mortes por Covid entre vacinados começar a subir muito, será um sinal de que as vacinas estão perdendo força. Por enquanto, não é o que tem acontecido: nas áreas de maior cobertura vacinal, o índice de óbitos não está subindo (mesmo com a disparada de casos em regiões afetadas pela variante Delta). 

Continua após a publicidade

Até no Brasil, onde a vacinação é pouco adiantada, isso está acontecendo: em São Paulo, o índice de ocupação das UTIs caiu para 49,2% – contra 92% no pior momento da pandemia. Hoje, apenas 2% dos hospitais particulares estão com as UTIs lotadas, contra 62% em junho. As vacinas estão funcionando. 

Mas por que, então, vários países estão partindo para a terceira dose? Por dois motivos. O primeiro é que eles têm vacinas sobrando. Por precaução, para reduzir o risco de faltar vacina, os países ricos compraram o dobro das doses necessárias. E, agora, precisam fazer alguma coisa com elas antes que estraguem – antes de decidir pela aplicação da terceira dose, Israel tinha 1,4 milhão de vacinas se aproximando do vencimento

É bem possível que, a médio prazo, a terceira dose comece a ser estendida para mais faixas etárias (inclusive no regime de vacinação heteróloga, em que a pessoa recebe uma dose de reforço de outra marca). Os números apontam nessa direção. Em maio e junho, a Comissão Europeia assinou contratos para adquirir mais 1,8 bilhão de doses da Pfizer e 150 milhões da Moderna. Isso dá mais três doses para cada habitante do bloco europeu. E também significa que a AstraZeneca, cuja vacina foi deixada de lado pela Europa, estará com capacidade de produção sobrando para atender outras regiões. 

Continua após a publicidade

A indústria farmacêutica tem interesse natural em vender. Conforme a pandemia começa a se tornar menos dramática, ao menos nos países onde há mais imunizados, é normal que comecem a aflorar pressões econômicas para que as autoridades autorizem mais doses das vacinas. Tanto é assim que em 8 de julho, no mesmo dia em que a Pfizer divulgou um comunicado defendendo a dose de reforço, o CDC e a FDA americanos emitiram uma nota conjunta pisando no freio: disseram que a terceira dose só será autorizada quando/se houver vários tipos de dado, de fontes independentes, comprovando essa necessidade. 

Seja como for, existe uma superoferta de vacinas no hemisfério Norte – e é por isso que vários países estão começando a oferecer a terceira dose. Em testes clínicos, ela não causou mais reações adversas do que as doses anteriores, então os governos entendem que não há grande risco em aplicá-la. E pode, também, haver um benefício.

Esse é o segundo motivo. As vacinas são eficazes contra a variante Delta do coronavírus, com uma ressalva: embora continuem oferecendo alta proteção contra Covid grave, elas não são tão boas para impedir a transmissão do vírus. Pessoas vacinadas também podem contrair a variante Delta – e, embora raramente desenvolvam sintomas graves, elas podem ter alta carga viral, similar à de pessoas não vacinadas e suficiente para transmitir o Sars-CoV-2. A vacina evita a Covid; mas não barra a circulação da Delta na sociedade. 

Continua após a publicidade

Em tese, a terceira dose poderia ajudar a frear essa propagação. Não existem estudos comprovando isso, mas é provável (ao aumentar a quantidade de anticorpos, mesmo que temporariamente, ela reduz a chance de a pessoa contrair, e portanto transmitir, Delta). Por esse raciocínio, a terceira dose até traz algum benefício ao indivíduo, mas sua maior utilidade é outra. Impedir que o Sars-CoV-2 continue se espalhando em grande escala, reduzir a possibilidade de que a Delta sofra mutações importantes – e evitar que ela dê origem a uma nova variante, resistente às vacinas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.