Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Foto da repórter Maria Clara em um fundo vermelho. Mulher Cientista Por Maria Clara Rossini Todos as semanas, a repórter Maria Clara Rossini entrevista uma pesquisadora brasileira e explica seu trabalho. Acompanhe aqui e no Instagram da Super.

Gabryele Moreira estuda desigualdade de gênero na física nuclear

Essa #MulherCientista é a primeira brasileira negra a receber o Prêmio Marie Curie da Agência Internacional de Energia Atômica – graças a suas pesquisas em desigualdade de gênero e em física médica.

Por Luisa Costa 21 dez 2021, 10h33

Natural da periferia de Salvador (BA), Gabryele Moreira teve um choque quando foi realizar seu mestrado em tecnologia nuclear no Instituto de Pesquisas Energéticas Nucleares (IPEN), em São Paulo. “Eu conseguia me reconhecer nas pessoas quando estava na Bahia. Mas, quando cheguei ao IPEN, percebi que as pessoas pretas como eu eram minoria”, conta à Super.

A pesquisadora da área nuclear teve muita influência de professoras negras quando estudava em uma escola pública próxima a uma unidade da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Foram essas mulheres que mostraram à Gabryele a importância do ensino superior, e a possibilidade de ingressar em universidades públicas a partir do sistema de cotas. Em São Paulo, por outro lado, ela não encontrava pessoas de sua cor à frente das salas de aula.

Compartilhe essa matéria via:

Gabryele conta que começou a perceber, a partir do cotidiano do instituto, como o mundo da energia nuclear é dominado por homens brancos. Foi então que ela conheceu a WiN (Women in Nuclear), organização sem fins lucrativos que trabalha para que mais mulheres participem do setor nuclear, ocupando espaços de liderança.

“Às vezes, você precisa ter um choque para transformá-lo, em algum momento, em uma revolução”, afirma Gabryele. “Não dá para cruzar os braços.” Então, a pesquisadora decidiu investigar a desigualdade de gênero na área nuclear, partindo do IPEN – que é vinculado à Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) e localizado na Universidade de São Paulo (USP).

Continua após a publicidade

Junto às pesquisadoras Priscila Rodrigues, Karoline Suzart e Nelida Mastro, ela desenvolveu um estudo do perfil sociocultural das mulheres do instituto. Elas responderam perguntas sobre sua cor, naturalidade, áreas que atuam e se ocupam cargos de chefia. O formulário também questionava se elas eram orientadas, em seus estudos, por homens ou mulheres. A pesquisa ouviu também mulheres das áreas técnica e administrativa do IPEN.

Um total de 105 mulheres responderam ao questionário. Cerca de 84% delas se declararam brancas; 9,6% negras e 6,7% amarelas. “A maioria das mulheres são orientadas por homens brancos e há poucas mulheres em cargos de chefia. A gente também percebeu que a maioria das mulheres estavam na área de física médica”, explica Gabryele.

A física médica é uma área da física nuclear aplicada à saúde, que envolve a produção de medicamentos para tratamento de câncer – dos quais 85% produzidos no Brasil são feitos no IPEN. Pesquisadores da área são responsáveis por equipamentos usados na radiologia, além do planejamento e cálculo de doses para tratamentos de câncer.

Gabryele, que se formou em Física Médica pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) em 2018, indica que as descobertas do estudo demonstram a feminilização da área de saúde – fenômeno que acontece porque as mulheres tradicionalmente estão envolvidas em tarefas relacionadas a cuidar, educar e servir.

A investigação e a pesquisa de mestrado – sobre análise de amostras biológicas, geológicas e ambientais em reator nuclear – renderam à Gabryele o Prêmio Marie Curie da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA, em inglês), ligada à Organização das Nações Unidas (ONU). Ela é a primeira mulher preta brasileira a receber a premiação.

O prêmio oferece uma bolsa de 10 mil a 40 mil euros para que pesquisadoras se mantenham na área nuclear. Gabryele também terá a possibilidade de estudar no exterior, fazendo um estágio na IAEA – na sede em Viena (Áustria) ou em instituições vinculadas.

Continua após a publicidade

Publicidade