Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Animais bebem álcool?

Sim – embora não se reúnam em um happy hour depois do expediente. E alguns são melhores que a gente em segurar a ressaca.

Por Luisa Costa
Atualizado em 24 Maio 2023, 21h35 - Publicado em 18 Maio 2023, 11h56

Sim, embora não se reúnam para fazê-lo numa sexta-feira depois do expediente. Veja só: frutas e néctares são parte significativa da dieta de muitos animais. Acontece que esses alimentos também são uma fonte de álcool em potencial: o etanol é um produto, junto ao dióxido de carbono, da fermentação natural (ou seja, o de leveduras “comendo” açúcares e liberando esses compostos como resultado da digestão).

O que sai da fermentação depende de alguns fatores – a quantidade de oxigênio envolvida, a acidez da fruta em questão e o tipo de açúcar presente –, mas pode levar a concentrações surpreendentes de álcool, de até 8,1% em frutas (equivalente à graduação alcoólica das cervejas IPA mais fortes) e de 3,1% em néctares.

Isso significa que, sim, animais comedores de frutas e néctar consomem álcool, volta e meia. Tanto que alguns deles desenvolveram a capacidade de quebrar o etanol rapidamente em seu organismo para evitar a embriaguez. 

Pesquisadores do Canadá verificaram isso em um estudo de 2020. Eles investigaram a presença, em 85 mamíferos, do gene ADH7, cujo papel é codificar uma enzima chamada álcool desidrogenase, que ajuda justamente a processar o etanol no organismo. Sequências do gene apareceram em 79 dos mamíferos pesquisados – principalmente naqueles que consomem (adivinhe) frutas e néctar.

Continua após a publicidade

São adaptações como essa que tornam alguns animais supertolerantes ao álcool. Um exemplo é o musaranho arborícola Ptilocercus lowii, um mamífero da Malásia que pesa apenas 50 gramas e se alimenta do néctar fermentado das flores de palmeiras da espécie Eugeissona tristis. O néctar atinge aquela concentração de 3,8% de etanol, mas os musaranhos não apresentam sinais de intoxicação, como mostrou um estudo de 2008

Na época, o coautor e microbiologista Marc-André Lachance explicou por que isso é surpreendente: “Existem outros animais que bebem álcool, mas não de forma contínua. Morcegos e pássaros o fazem apenas no momento em que as plantas estão produzindo frutas. Os musaranhos fazem isso o tempo todo, e durante todo o ano.”

Continua após a publicidade

Mas outros animais vão além de tolerar o etanol. Eles parecem gostar mesmo da coisa. Os macacos da espécie Cercopithecus aethiops são um exemplo. Experimentos mostraram que um em cada cinco desses animais preferia um coquetel de álcool misturado com água e açúcar em vez de só água com açúcar. Os indivíduos mais jovens eram mais propensos a beber do que os mais velhos – que precisam estar alertas e atentos à dinâmica social do grupo. Alguém tem de ser o motorista da vez. 

Compartilhe essa matéria via:

Fontes: Genetic evidence of widespread variation in ethanol metabolism among mammals: revisiting the ‘myth’ of natural intoxication; Chronic intake of fermented floral nectar by wild treeshrews; Voluntary alcohol consumption in vervet monkeys: Individual, sex, and age differences.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.