Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

No passado, o que acontecia quando só um dos gêmeos siameses morria?

O outro morria também. E isso acontece até hoje, quando uma cirurgia de separação não é possível.

Por Luiza Monteiro
Atualizado em 23 out 2020, 07h09 - Publicado em 4 jan 2019, 12h00

O outro morria também. E isso acontece até hoje, quando uma cirurgia de separação não é possível. “No momento em que um gêmeo morre, as bactérias responsáveis pela putrefação atingem o outro – o que acontece em poucas horas”, explica o cirurgião pediátrico Nicolino Rosito, do Hospital Moinhos de Vento – uma instituição de referência nesses casos, localizada em Porto Alegre. 

Cirurgias de separação são, é claro, muito complexas. Entre médicos, enfermeiros, psicólogos e nutricionistas, podem envolver mais de 100 profissionais – que simulam cada detalhe, incluindo a movimentação na sala ao longo do procedimento. Como se fosse um ensaio de orquestra. Por razões éticas, nem todos os membros da equipe aceitam participar. Às vezes, é preciso escolher qual dos gêmeos vai viver, e a qualidade de vida do sobrevivente é baixa.

Caso os gêmeos nasçam estáveis, sem problemas graves em órgãos vitais, o ideal é adiar a cirurgia para algo entre 6 meses e um ano após nascimento – e usar esse período para investigar o caso. “Temos que saber exatamente quais órgãos serão separados, as sequelas, e tudo isso é discutido com os pais”, diz Rosito.

Continua após a publicidade

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.