Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.

Outros países também comem batata-palha?

Sim, mas não do mesmo jeito.

Por Rafael Battaglia 18 mar 2022, 09h31

Nos EUA, as shoestring potatoes são o mais próximo que podemos chamar de batata-palha. Nada mais que fritas cortadas em modo julienne, aquele em que as tirinhas são mais alongadas (shoestring quer dizer “cadarço”, uma alusão ao formato). Elas podem ser feitas em casa ou encontradas no mercado, mas estão mais para um snack, e não um acompanhamento para refeições.

Na França, as pommes pailles (“batatas-canudo”) são cortadas no modo allumette – ficam do tamanho de um palito de fósforo. Em Cuba, fritas bem fininhas, também cortadas em julienne, coroam o topo do La Frita Cubana, um hambúrguer de carne bovina e suína – bem no jeitão como devoramos cachorro-quente aqui.

No Brasil, o saquinho que você compra no mercado foi ideia da empresa fluminense Crac, fundada em 1985 e que era uma fábrica de batatas chips. A Crac adaptou um moedor de carne para cortar as batatas no formato “palha”.

No começo, elas eram vendidas em lojas próprias ou em carrinhos dentro de padarias de Niterói e do Rio de Janeiro. Só depois a empresa decidiu comercializar tudo em supermercados. Investiram inclusive numa extensa campanha de divulgação, que foi fundamental para enraizar o costume de comer batata-palha.

Funcionários uniformizados distribuíam folhetos pela cidade com sugestões de receitas que incluíssem suas batatinhas: estrogonofe (que inicialmente era acompanhado de batatas sauté), fricassé, salpicão… A empresa passou a anunciar em programas de grande audiência, como os do Faustão, da Xuxa e da Hebe Camargo. Chegou a patrocinar um amistoso entre Brasil e Argentina no Maracanã. 

A propaganda deu tão certo que hoje, numa pesquisa rapidinha no Google, você encontra até pizza de batata-palha. Mais uma prova da estranha criatividade do brasileiro na gastronomia, que já rendeu invencionices como ovo de páscoa de coxinha, esfiha de nutella e sushi com morango e cream cheese. 

Compartilhe essa matéria via:

Fontes: Maurício Lopes, docente de gastronomia do Mackenzie.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês