Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Por que os volantes dos carros ficam nas laterais, e não no meio?

No Brasil, fica à esquerda. Já em países de "mão inglesa", o motorista senta à direita. Três motivos explicam por que nunca é no centro.

Por Rafael Battaglia
Atualizado em 28 dez 2020, 17h02 - Publicado em 17 jan 2019, 18h21

Há uma série de motivos. Um é aproveitamento de espaço: com o volante no centro, não haveria espaço para o passageiro.

Outro é visibilidade – algo que data da época em que os carros eram puxados por cavalos, em vez de motores. Quando há um congestionamento, o condutor precisa se esticar para a lateral para conseguir observar até onde vai a fila.

Um terceiro motivo é segurança: em uma rua de mão dupla, o condutor precisa estar na posição mais adequada possível para observar os carros que vêm no sentido oposto. Vale dizer que, do ponto de vista estritamente técnico, o volante centralizado seria o ideal para distribuir o peso pelo veículo. É por isso que carros de Fórmula 1 – ou os lendários superesportivos de rua da McLaren – posicionam o motorista bem no meio.

E um adendo: na época em que todo mundo andava a cavalo, só existia mão inglesa. Destros, que são maioria, montam o animal pelo lado esquerdo – e querem ter a mão direita, a da espada, virada para o cavaleiro que vem no sentido oposto em caso de duelo.

Continua após a publicidade

Só depois surgiu a mão francesa que vigora no trânsito do Brasil hoje; uma das muitas mudanças adotadas após a Revolução Francesa só para contrariar. Uma das justificativas práticas foi a seguinte: em veículos de carga puxados por diversos cavalos, com os animais organizados em duas filas, o condutor montava sempre o cavalo da esquerda mais próximo do veículo. Assim, a mão direita, que segurava o chicote, ficava posicionada no vão entre as duas filas de cavalos, e podia alcançá-los sem dificuldade.

Em última instância, porém, a tradição não resultou de só uma ou outra necessidade prática, e sim de muitos fatores econômicos, sociais e políticos da Europa do século 18.

Pergunta deLucas Strassburger, via Instagram

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.