Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Oráculo

Por aquele cara de Delfos Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Quem inventou a caipirinha?

O primeiro registro de algo similar ao que você toma no boteco é do século 19. Mas não era um drink – e sim um remédio.

Por Rafael Battaglia
Atualizado em 24 abr 2023, 15h01 - Publicado em 20 abr 2023, 09h30

Em um documento escrito pelo engenheiro João Pinto Gomes Lamego, em 1856, há o relato de um surto de cólera na cidade de Paraty, no Rio de Janeiro. Para conter a doença (causada por uma bactéria e transmitida, entre outras formas, pela água), os moradores passaram a misturar a água que bebiam com cachaça, limão e açúcar.

Já em 1918, durante a Gripe Espanhola, Paulo Vieira, um fazendeiro de Piracicaba, município do interior de São Paulo, desenvolveu um xarope supostamente terapêutico com cachaça, mel, limão e alho

Na época da Espanhola – a Covid de um século atrás –, era comum o consumo de “garrafadas”: remédios populares feitos a partir de ervas e ingredientes caseiros – e que, não raro, levavam álcool na receita, assim como tônicos e fortificantes.

A gripe passou, mas o “remédio” permaneceu, e virou bebida. O mel foi trocado por açúcar (Piracicaba se desenvolveu à base da plantação de cana) e o alho por gelo – ainda bem… O nome “caipirinha” surgiu, sem data certa, conforme ela se espalhou e chegou ao litoral paulista, onde a origem interiorana (caipira) foi o que veio à cabeça. 

Na capital do estado, o drink teria ganhado fama durante a Semana de Arte Moderna, em 1922. Tarsila do Amaral, nascida em Capivari (cidade próxima a Piracicaba), elegeu a caipirinha a bebida oficial do evento. Quando morou em Paris, a artista a preparava para convidados famosos, como Pablo Picasso.

Essa é a versão oficial para a origem da bebida, sustentada pelo Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac). Mas pode não ter sido bem assim… A escassez de documentos torna difícil a tarefa de cravar a história. 

Por exemplo, o antropólogo Luís da Câmara Cascudo, importante estudioso da cultura brasileira, defende outra versão: a de que a caipirinha teria sido criada em Piracicaba mesmo, mas antes da Gripe Espanhola. E já como drink. No final do século 19, os fazendeiros da região teriam começado a servir o preparo em festas como alternativa ao uísque e vinho importados – mais caros e difíceis de conseguir. 

Os esforços para tornar a caipirinha um patrimônio cultural brasileiro ganharam força em 1995, quando ela se tornou o primeiro (e até agora único) drink nacional a integrar a lista da IBA (Associação Internacional de Bartenders), o padrão-ouro do preparo de coquetéis. No Brasil, sua definição mais recente é de um decreto de 2009. Eis o texto oficial:

Continua após a publicidade

“A bebida (…) com graduação alcoólica de quinze a trinta e seis por cento em volume, a vinte graus Celsius, elaborada com cachaça, limão e açúcar, poderá ser denominada de caipirinha (bebida típica do Brasil), facultada a adição de água para a padronização da graduação alcoólica e de aditivos.”

Ou seja: nada de vodca ou saquê, ok?

Fonte: livro Coquetelaria: história e cultura, de Andrea Medina.

Compartilhe essa matéria via:

Da botica ao boteco: Plantas, garrafadas e a coquetelaria brasileira

.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.