Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Fundo vermelho liso. Supernovas Por redação Super Este blog não é mais atualizado. Mas fique à vontade para ler o conteúdo por aqui!

Evolução não parou, mas acelerou, afirma estudo

Por Fábio Marton Quando a gente pensa em evolução, imagina um processo teve seu auge em algum lugar do passado, quando nossos antepassados ainda nem andavam sobre duas pernas. A ideia é mais que senso comum. Naturalistas de respeito ajudaram a reforçá-la. Segundo essa linha de pensamento, graças aos anticoncepcionais, a medicina moderna e a […]

Por Redação Super Atualizado em 21 dez 2016, 09h07 - Publicado em 11 fev 2015, 20h40

Por Fábio Marton

evoluciaon

Quando a gente pensa em evolução, imagina um processo teve seu auge em algum lugar do passado, quando nossos antepassados ainda nem andavam sobre duas pernas. A ideia é mais que senso comum. Naturalistas de respeito ajudaram a reforçá-la. Segundo essa linha de pensamento, graças aos anticoncepcionais, a medicina moderna e a agricultura tecnológica, a seleção natural não faz mais sentido. Sem a competição brutal por recursos ou parceiros, ou o perigo das doenças, que caracterizam a natureza, virou moda dizer que a evolução das espécies tinha parado. Mas talvez isso seja exagero.

Pelo menos é o que diz a pesquisa realizada por uma equipe britânica e finlandesa, publicada no journal Evolution, que tenta provar que a evolução continua aí, firme e forte. “Nós ainda estamos evoluindo”, afirmou a pesquisadora Elisabeth Bollun ao jornal britânico The Guardian. “Enquanto alguns indivíduos tiverem mais filhos e outros menos, existe o potencial para a evolução acontecer”.

e-agora-darwin
E aí, Darwin?

Observando registros de nascimentos, casamentos e mortes em igrejas finlandesas, desde o começo do século 18, eles determinaram a árvore genealógica e o histórico familiar de 10 mil pessoas. E, com isso, a influência dos genes no sucesso reprodutivo.

Continua após a publicidade

No estudo, os cientistas separaram características de nascença (ou seja, genéticas) daquelas que são derivadas do ambiente, tipo educação e classe social. E relacionaram os genes à forma como as pessoas se reproduziram, como com que idade casavam e quantos filhos tinham. Segundo os pesquisadores, no século 19, entre 4% e 18% do sucesso reprodutivo poderia ser atribuído aos genes. Mas essa proporção aumentou hoje em dia. Os genes que auxiliam as pessoas a se reproduzirem mais, no ambiente atual, estão sendo favorecidos pela seleção natural. Em outras palavras, estamos nos adaptando melhor ao meio do que nossos tataravós.

Dra. Bollun explica a mudança: “É possível que nós, em sociedades modernas, tenhamos mais liberdade para expressar nossas predisposições genéticas porque influências sociais e normativas são mais relaxadas, e isso leva a diferenças genéticas entre nós explicando mais dos padrões reprodutivos”.

Mas calma, não foi dessa vez que se descobriu que nossos filhos terão um sentido especial para detectar redes Wi-Fi ou braços mais longos para tirar selfies.

x-men-storm
Ou para fazer chover na Cantareira…

Segundo Bollund, é possível que a espécie humana esteja desenvolvendo mais resistência a câncer e doenças do coração, e que as  mulheres tenham ganhado a capacidade de se reproduzir com mais idades. Isso facilitam com que as pessoas tenham filhos, mesmo que decidam deixar isso para mais tarde, por conta da carreira ou não terem achado ainda sua cara metade –  problemas que não existiam no século 19, quando todo mundo casava cedo e começava a família já na lua de mel. Em todo caso, vai levar centenas de anos até que isso possa ser medido na prática. Melhor evitar antecipar as conclusões, né?

 

Continua após a publicidade

Publicidade
Evolução não parou, mas acelerou, afirma estudo
Por Fábio Marton Quando a gente pensa em evolução, imagina um processo teve seu auge em algum lugar do passado, quando nossos antepassados ainda nem andavam sobre duas pernas. A ideia é mais que senso comum. Naturalistas de respeito ajudaram a reforçá-la. Segundo essa linha de pensamento, graças aos anticoncepcionais, a medicina moderna e a […]

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade