Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Turma do Fundão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Grupo de leitores-colaboradores da ME que ajuda a revista sugerindo pautas e alimentando este blog cultural
Continua após publicidade

Death Note da Netflix é um filme ok, mas uma péssima adaptação

Por Ingrid Luisa
Atualizado em 8 jan 2021, 12h28 - Publicado em 4 set 2017, 16h49

Você com certeza já ouviu falar de Death Note. Mesmo quem não leu o mangá homônimo, de Tsugumi Ohba e Takeshi Obata, ou viu a ótima adaptação para anime, já pelo menos ouviu algo sobre um caderno que mata ao ter nomes escritos nele. A franquia ficou tão famosa que personagens icônicos como Kira e L são sempre lembrados – o último, por exemplo, sempre está em listas de “melhores detetives da ficção”.

Quando a Netflix anunciou a adaptação para um longa-metragem, os mais otimistas julgaram que o serviço de streaming traria a versão definitiva da obra (como vem fazendo com muitas adaptações de série). Mas a polêmica em torno do filme já se iniciou com a notícia que seria uma adaptação americanizada, com versões ocidentais dos personagens e se passando nos EUA.

O “whitewashing” foi a primeira grande questão. Mas, conhecendo Hollywood como bem conhecemos, imagine se eles tentassem criar um filme todo ambientado no Japão, com personagens japoneses e retratando uma cultura que eles desconhecem. Sinceramente, poderia vir algo muito pior. Acho que uma adaptação ocidental é, dos males, o menor. Mas, independentemente disso, será que a adaptação vale a pena?

Como é o original

Apesar de terem o mesmo título e usarem os mesmos personagens, as premissas do original e da versão da Netflix são bem distintas. No mangá, Light é um estudante genial. O melhor de seu país. Justamente por isso, é popular e ninguém é bom o bastante para ele, o que lhe deixa entediado o tempo todo. Certo dia, cai em suas mãos um “caderno da morte” – basta anotar o nome de alguém nele e a pessoa morre. O garoto até se assusta inicialmente com isso, mas depois se julga o único apto para assumir a responsabilidade de “salvar” o mundo. Como um deus. É daí que nasce “Kira”, o pseudônimo que ele usa para assinar os crimes. Ryuk, o deus da morte dono do caderno, aparece para Light e o acompanha durante toda sua jornada.

Continua após a publicidade

Mas, a série de assassinatos provocada por esse justiceiro desperta o interesse do maior detetive do mundo, conhecido como L. Ele considera Kira tão mau quanto os criminosos que o justiceiro mata. Daí, uma briga de gato e rato entre dois gênios se inicia. Cada movimento é estritamente calculado. Quando um segundo Kira aparece, a maior admiradora do “deus”, Misa, se revela, e Light a usa para obter ainda mais vantagem.

Como ficou na Netflix

O que vemos na versão do diretor Adam Wingard (Bruxa de Blair, 2016) é um típico telefilme de colegial. As mudanças já começam no protagonista. O Light do filme pode até ser inteligente, mas é um loser que faz a lição de casa dos bullies de seu colégio em troca de dinheiro. Ele é apaixonado por uma líder de torcida, Mia (uma versão mais forte e independente da Misa do original), mas não tem coragem de falar com a garota. Por acaso, enquanto a admirava, cai em suas mãos um “caderno da morte”. Ryuk, o deus da morte dono do caderno, não só acompanha o garoto, mas convence o hesitante Light a usar essa misteriosa arma.

Tendo se apoderado do artefato, o protagonista logo mostra o novo artefato a Mia, chamando sua atenção. Os dois, então, engatam um romance enquanto matam criminosos. Mas Light precisa deixar sua marca e ordena que todos os futuros cadáveres deixem por escrito que aquela morte era obra de “Kira”. Esse padrão chama a atenção do maior detetive do mundo, o exótico L, que resolve caçar o assassino. Quando dilemas éticos chegam a perturbar Light, Mia é a personagem que o convence que tudo por Kira vale a pena.

O que mais incomoda não é nem todo o argumento diferente, mas a mudança drástica na essência dos personagens. Se fosse para fazer isso, que se usasse só o conceito do caderno e se criasse novos protagonistas. A obra original, com muito mais personagens e inteiramente focada na disputa silenciosa entre Kira e L, é um thriller investigativo genial. Debates a respeito de justiça, liberdade e livre arbítrio são colocados em xeque. E nada disso se vê na adaptação.

O Light de Nat Wolf não é terrível, mas tampouco cria empatia. Você não entende perfeitamente as motivações do protagonista e, durante todo o longa, paira a dúvida se ele realmente quer fazer tudo aquilo ou se foi manipulado por Mia e pelos sentimentos que tem por ela.

Continua após a publicidade

O L de Keith Stanfield é o que se propõe mais fiel, mas essa decisão ficou meio perdida dentro do contexto novo. Aquela figura exótica, que gosta de doces e senta de modo estranho na cadeira, parece fria no início, mas logo se descontrola e perde toda e qualquer sanidade quando Kira atinge pessoas que ele gosta. O desespero não condiz com a figura original do detetive calculista que passou sete meses enclausurado na infância.

A Mia de Margaret Qualley e o Ryuk de Willem Dafoe chamam atenção por motivos diferentes. Mia, uma personagem forte, acha no caderno um sentido para sua antiga vida vazia de cheerleader e chega a agir pelas costas de Light – o uso do falso Kira foi bem colocado na adaptação. Ryuk incomoda um pouco por manipular demais Light, primeiro o convencendo a usar o caderno e depois querendo boicotá-lo o tempo inteiro, como se ele já não tivesse problemas suficientes com o L e a polícia na sua cola.

No geral, o enredo é ok, focando a relação do casal protagonista e suas divergências diante das possibilidades. Os dilemas de Light poderiam ter sido melhor explorados, mas nada que torne o filme inassistível. Aliás, a cena em que Light conhece Ryuk, que virou meme e foi altamente criticada, pode até ter sido exagerada, mas é fiel ao mangá em certo ponto. Light realmente se assustou na primeira vez em que viu o deus da morte.

A trilha sonora é outro ponto confuso do longa, fazendo cenas dramáticas perderem um pouco o tom (como no final). Mas, no geral, o filme não é tão ruim. Antes de assistir, só pelo que estavam falando na internet, achei que seria algo bem pior.

É um típico filme pipoca, descompromissado. Não é péssimo, só é passável. Quer adaptação fiel? Vá ver o anime. Quer adaptação livre? Vá ler Caderno do Riso, volumes 23 e 24 da Turma da Mônica Jovem, com Cebolinha como Kira, Anjinho como Ryuk e Louco como L. Essas versões pisam muito na adaptação da Netflix.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.