GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

24. “Eu me casei virgem.”

A verdade: Depende da idade. Para mães com mais de 60 anos, virgindade foi regra. Já as mais novas tiveram mais experiências - e nem sempre das melhores

Anna Carolina Rodrigues

Nos anos 70 muito se discutiu sobre a libertação sexual das mulheres. Mas, na prática, grandes são as chances de que boa parte de jovens brasileiras daquela época tenha se casado virgem, tamanho era o valor dado ao hímen. Algumas chegavam a fazer cirurgia de “revirginização” – como relatou a revista Realidade em 1971. Na reportagem “Ser virgem é muito importante. Muito”, uma jovem contou que perdeu o marido quando ele descobriu que ela não era mais virgem. Ao encontrar outro noivo, foi para a mesa de cirurgia só para garantir que não fosse rejeitada. Isso mudou bastante nos anos 80. O orgasmo feminino passou a ser discutido na televisão de manhã, de segunda a sexta, com o programa TV Mulher, na Rede Globo. Em outubro de 1984, o livro de não-ficção mais vendido no Brasil foi O Complexo de Cinderela, que critica a espera de mulheres por um príncipe encantado. E o segundo foi Repressão Sexual, de Marilena Chauí. Como escrevera em 1980 a colunista Carmem Silva, da revista CLAUDIA, o sexo se tornou “simples e inconsequente como beber um copo d¿água”. Bom, nem tanto. Em 1987, uma pesquisa com 1 530 jovens de 15 a 24 anos feita pela Editora Abril mostrou que um terço das moças já tinha feito sexo, um terço só esperava as condições ideais e outro terço queria se casar virgem. Mas o sexo daqueles jovens não foi tão simples quanto beber água. Diferentemente dos meninos, grande parte das jovens de então sentia medo e insegurança na primeira vez (leia ao lado). Uma vez começada a vida sexual, quase a metade não ia ao ginecologista, metade não usava regularmente métodos anticonceptivos e 18% tiveram gravidez indesejada. A grande maioria resolveu o impasse com aborto – e um quarto delas chegou a fazer dois ou mais.

Sexo, 25 anos atrás
Na década de 1980, jovens começavam a se libertar sexualmente. Mas as meninas se davam muito pior do que os meninos

Nossos pais
Idade na primeira transa

Até 14 anos – 24%

15 a 17 anos – 33%

18 a 21 anos – 10%

Não disse – 1%

Não teve – 32%

Com quem?

Amigo(a) – 25%

Prostituta – 21%

Colega – 8%

Namorado(a) – 17%

Conhecido(a) – 14%

O que sentiram

Realização – 63%

Alegria – 55%

Orgulho – 40%

Alívio – 29%

Medo – 21%

Dor – 9%

Insegurança – 19%

Vergonha – 12%

Nossas mães
Idade na primeira transa

Até 14 anos – 2%

15 a 17 anos – 13%

18 a 21 anos – 16%

Não disse – 1%

Não teve – 67%

Com quem?

Amigo(a) – 5%

Prostituta – –

Colega – 4%

Namorado(a) – 74%

Conhecido(a) – 7%

O que sentiram

Realização – 46%

Alegria – 51%

Orgulho – 25%

Alívio – 9%

Medo – 42%

Dor – 39%

Insegurança – 41%

Vergonha – 21%

30% delas nunca se masturbaram quando jovens

42% delas sentiam-se pressionadas a continuar virgem.

FONTE: “Um perfil do jovem brasileiro dos anos 80”, in: Revista “Capricho”, agosto de 1987