Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Cientistas criam árvore genealógica com 13 milhões de pessoas e 11 gerações

Os pesquisadores usaram essa montanha de dados familiares para responder a uma pergunta antiga: o que influencia mais a longevidade, genes ou hábitos?

Por Bruno Vaiano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 15 jan 2023, 19h23 - Publicado em 2 mar 2018, 14h47

Se você é uma daquelas pessoas que convida a família toda para a ceia de Natal – até os primos distantes –, é melhor torcer para não estar na árvore genealógica que Yaniv Erlich acabou de criar. O cientista da computação da Universidade Columbia traçou o grau de parentesco entre 13 milhões de pessoas do mundo todo, vivas ou mortas, distribuídas por 11 gerações. E depois usou os dados para responder a uma pergunta antiga: o que influencia mais a longevidade, a genética ou os hábitos?

Essa verdadeira peripécia – 13 milhões é mais que a população do município de São Paulo – só foi possível graças à base de dados do site Geni.com, em que os usuários caçam seus antepassados e encontram parentes distantes que também estão a fim de descobrir de onde vieram. “O número de participantes por si só já é uma maluquice”, afirmou à Nature o pesquisador Atul Butte, da Universidade da Califórnia – que não estava envolvido no estudo. “Só dá para criar bases de dados desse tamanho com crowdsourcing. É realmente impressionante.” Caso você esteja se perguntando: não, não dá para saber se você está ou nessa árvore. Os nomes não foram divulgados.

A principal descoberta é que a idade é mais uma questão ambiental que genética. Não adianta fumar, encher a cara, pular a salada e esperar o DNA do seu avô dar aquele empurrãozinho para chegar às 100 primaveras. Genes “bons” para a velhice de fato dão em média cinco anos de vida a mais para os seus portadores, mas fumar subtrai dez – para não falar no que você não pode escolher, como as condições socioeconômicas do local em que nasceu. A herança genética só foi capaz de explicar diferenças de longevidade em 16% dos casos.

A conclusão não é surpreendente, mas a realidade é que esse experimento é um pouco como o lançamento do Falcon Heavy de Elon Musk: o objetivo não era, é claro, colocar um carro no espaço, e sim mostrar o potencial da tecnologia. Essa é a primeira vez que um pesquisador e sua equipe, sozinhos, coletam dados de 13 milhões de pessoas sem levantar da cadeira – e especialistas da área concordam que bancos de dados grandes e de fácil acesso como esse serão essenciais para pesquisas sobre genética no futuro.  

Além disso, analisar árvores do tamanho de cidades permite colher dados muito curiosos: em 1750, boa parte das pessoas se casava com gente que morava perto – a no máximo dez quilômetros. Em 1950, a distância média entre os locais de nascimento dos membros de um casal subiu para 100 quilômetros. Parece que trem, telefone, e internet nos tornaram mais seletivos no amor.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.