Clique e assine com até 75% de desconto

Enquete traça perfil dos “pais de pet” brasileiros

Já existem mais animais do que crianças nos lares brasileiros. Em questionário feito pela DogHero, 78% dos entrevistados afirmou que considera o bichinho como um filho.

Por Carolina Fioratti 5 nov 2020, 14h48

Para muita gente, os companheiros de quatro patas são muito mais do que simples animais de estimação. Hoje, cães e gatos são vistos como membros da família, recebendo mimos que vão desde petiscos até brinquedos especiais. Uma enquete feita com donos de animais traçou um perfil de quem são os “pais de pet” brasileiros. A pesquisa foi feita pela DogHero, empresa de serviços para cães, em parceria com o portal Zap Imóveis.

Dados de 2018 levantados pelo IBGE e Instituto Pet Brasil já mostravam que existiam mais animais do que crianças nos lares brasileiros, somando 139,3 milhões de bichinhos de estimação. Desses, 54,2 milhões são cães; 39,8 milhões são aves; 23,9 milhões são gatos; 19,1 milhões são peixes e 2,3 milhões são répteis ou pequenos mamíferos, como roedores. A maior parte dos donos encontra-se na região Sudeste (47,4%), seguida pelo Nordeste (21,4%), Sul (17,6%), Centro Oeste (7,2%) e Norte (6,3%). 

  • Esses eram os principais dados disponíveis até então. A nova enquete foi realizada em julho de 2019, por meio de um formulário online encaminhado pela DogHero. Ela coletou dados demográficos e comportamentais de 1,5 mil brasileiros que possuem animais dentro de casa.

    Além de questões básicas, como gênero, grau de escolaridade, idade etc, perguntava-se também quantos cachorros a pessoa tinha, qual a idade deles, como eles chegaram até a casa (doação, compra, etc) e até mesmo se o tutor concordava com a frase “Meu cachorro é como um filho para mim”. Já as perguntas do questionário comportamental eram mais específicas, como “seu cachorro dorme com você?” ou “você já fez (ou faria) festa de aniversário pro seu cachorro?”.

    A maior parte dos animais foram adotados (46%). Além disso, 78% das pessoas disseram que consideram o bichinho como um filho, principalmente os membros das gerações X e Y, que têm entre 30 e 45 anos. O amor é tanto que 15% já fizeram festa para o pet e 9% promovem o evento anualmente.

    As regalias não param por aí: 36% dos entrevistados dividem o quarto com o animal, enquanto 30% chega a dividir a própria cama. Cinema no fim de semana também é coisa do passado: 59% dos donos preferem passar o sábado a noite em casa, na companhia de seus cachorros. Incluir um parceiro no programa? Só se ele gostar do animal. 86% dos entrevistados afirmou que terminaria uma relação com alguém que não gostasse de seu filho de quatro patas.

    Além disso, as entrevistas feitas pelo Grupo Zap mostram que os usuários da plataforma estão trocando os playgrounds por áreas pet friendly, ou seja, que aceitam animais. A empresa mandou um formulário com 120 perguntas para 800 pessoas que estavam buscando por moradias em seus sites. Nos resultados, fizeram um recorte de questões relacionadas aos animais.

    O público feminino se sobressaiu. São elas as pessoas que mais pretendem morar com pets. Quanto aos casais, seis em cada dez deles têm ou pretendem ter um animal na casa nova. Sendo assim, a busca inclui principalmente casas e condomínios em que animais são bem-vindos. Se o último tiver espaços apropriados para os bichinhos, como parquinhos e áreas de banho, a preferência é ainda maior.

    Oito em cada dez entrevistados que pretendem ter um animalzinho em casa optam por cães. Os gatos foram citados apenas em 27% das entrevistas. Sem querer reforçar o estereótipo, mas os bigodudos ainda são a preferência de pessoas solteiras, divorciadas e viúvas. 

    Continua após a publicidade
    Publicidade