Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O que acontece com os produtos apreendidos pela polícia?

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h51 - Publicado em 22 jan 2011, 22h00

Anna Virginia Balloussier

Depende, porque estamos falando de um grupo eclético. Entram nesse bolo drogas, armas de fogo, animais silvestres, alimentos que apresentem irregularidades, cigarros e remédios falsificados, grana de origem suspeita, madeira extraída ilegalmente e, claro, quase tudo que está à venda na banquinha do camelô.

A maior parte dessas batatas quentes vai parar nas mãos da Receita Federal, que mantém cerca de 150 depósitos espalhados pelo Brasil. Elas podem ser leiloadas, destruídas, doadas a entidades sem fins lucrativos ou incorporadas a órgãos da União – nesse caso, os mais beneficiados costumam ser as Polícias Rodoviária e Federal.

Até outubro do ano passado, a Receita já tinha embargado quase R$ 1 bilhão em produtos, um número 22% maior que o de 2006, por exemplo. Os campeões foram eletroeletrônicos (R$ 79 milhões), cigarros (R$ 77 milhões), óculos (R$ 73 milhões), calçados (R$ 65 milhões) e artigos de informática (R$ 58 milhões). Disso tudo, 6,5% voltam para os antigos donos.

Se ninguém der as caras para reclamar a apreensão ou a decisão final for contrária ao acusado, a mercadoria tem seu destino determinado, na maioria dos casos, pela Justiça Federal.

Continua após a publicidade

Em 2008, por exemplo, os valores foram estes: R$ 66,4 milhões para leilões, R$ 179 milhões incorporados a órgãos públicos e R$ 74,4 milhões doados a entidades beneficentes. Para esse grupo de beneficiados, o crime compensa.


O que vai vem, o que vem vai
Saiba onde vão parar os produtos irregulares. Às vezes, o sistema literalmente bota pra quebrar

Rasgando dinheiro
Grana falsa – só em 2008 foram apreendidas 325 mil cédulas – é levada direto para o triturador. Já a de verdade fica depositada no banco até que se decida a quem ela pertence.

Contrabando
Produtos piratas ou simplesmente ilegais são destruídos, muitas vezes em grandes ações públicas. “É para dar o exemplo”, diz Eliana Polo, superintendente da Receita Federal.

Mercadoria legal
Produtos apreendidos sem restrição de circulação podem ser leiloados, incorporados a órgãos públicos ou doados pra caridade.

Fogo na bomba
Com drogas, não tem conversa: tudo que é apreendido é incinerado – ou pelo menos deveria.

Feras feridas

Os animais apreendidos pela polícia nem sempre são devolvidos à natureza. Às vezes faltam recursos para a readaptação, e o jeito é deixar com os antigos donos mesmo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)