Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Por que muita gente insiste em um namoro mesmo estando infeliz?

Muitas vezes, o sentimento do outro é mais importante do que o da pessoa que quer terminar

Por Ingrid Luisa 25 out 2018, 18h11

Talvez isso já tenha acontecido com você ou com alguém próximo: a relação com o(a) namorado(a) está claramente ruim, mas ninguém consegue terminar. Por quê? Nem sempre o motivo é comodismo – ao contrário. A principal razão pode estar ligada ao nosso altruísmo.

Ou pelo menos é o que afirma um estudo publicado no periódico Journal of Personality and Social Psychology, liderado pela pesquisadora Samantha Joel, da Universidade Western, no Canadá. Segundo o artigo, a dificuldade de terminar pode estar na percepção de que o outro quer muito ou até mesmo depende daquele relacionamento. Isso faz as pessoas priorizarem os sentimentos do parceiro – que, querendo ou não, é alguém especial. E, assim, a infelicidade continua…

“Quanto mais dependente um achar que o outro é no relacionamento, menor é a chance de um rompimento”, disse Samantha, em comunicado à imprensa. Para chegar a essas conclusões, a autora e sua equipe analisaram 500 pessoas, que estavam pensando em terminar o namoro. Os cientistas fizeram um questionário para saber os motivos que prendiam os voluntários à relação. Dois meses depois, os estudiosos entraram em contato novamente e detectaram que muitos participantes não tinham dado um pé na bunda de seus parceiros para não “ferir seus sentimentos”.

  • “Isso aconteceu até com quem não estava realmente envolvida ou que estava insatisfeita com a relação”, afirma Samantha. Para ela, ao fazer essa escolha, o indivíduo infeliz aposta na esperança de que as coisas melhorem.

    Estudos anteriores mostraram que a quantidade de tempo, esforço e sentimento investido em um namoro também são fatores determinantes para a decisão de não pôr fim a ele. Razões contrárias às do estudo canadense, como sentimentos individualistas (“melhor ficar com fulano que sozinho”), também são motivos plausíveis para muita gente.

    Continua após a publicidade
    Publicidade