GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Primeiro brinquedo sexual para homens trans é lançado nos EUA

A ideia é ajudar quem está em fase de transição de gênero a ter prazer sexual

Preconceito, baixa autoestima e desrespeito são apenas alguns dos problemas que as pessoas trans enfrentam diariamente. Mas existem outros obstáculos que raramente são colocados em pauta – por exemplo: como se masturbar durante o processo de transição de gênero, quando os genitais ficam sensíveis e o emocional fica comprometido?

Pensando nisso, um dos maiores nomes da militância trans, Buck Angel, acaba de lançar o primeiro brinquedo sexual focado nos homens trans – pessoas que foram designadas mulheres ao nascer, mas que se descobrem homens ao longo da vida. 

LEIA: Exército americano vai aceitar soldados trans

Batizado de Buck-off (um trocadilho com o termo “fuck off”, ou “não enche” em inglês), o brinquedo é específico para quem ainda não passou pela cirurgia de redesignação sexual, mas já começou o tratamento hormonal com testosterona, que costuma deixar o clitóris inchado e sensível. Afinal, mesmo com o peso emocional que é a transição de gênero, é lógico que as pessoas continuam sentindo tesão, né? 

No vídeo de apresentação do produto, Buck explica: “Nós [homens trans] não somos robôs e sexo é uma grande parte de destransicionar. Para quem acha que sexo não é importante, eu discordo totalmente: é essencial”. 

LEIA: Tinder criará novas opções de gênero

O sextoy tem um formato fálico, mas é oco por dentro, e é feito de um material chamado SilaSkin, que imita a textura de pele humana. Funciona assim: a pessoa coloca a parte oca do Buck-off sobre o clitóris e faz movimentos de vai e vem, exatamente como na masturbação de quem tem pênis. O oco cria um vácuo que suga o clitóris, causando um estímulo bem intenso. Desse jeito, a pessoa não precisa tocar a própria vagina, mas consegue ter prazer mesmo assim. 

O Buck-off não é caro, se comparado com outros brinquedos sexuais: custa US$ 29,95 (cerca de R$ 120) – sendo que, em média, vibradores mais rebuscados custam o dobro ou até mais. “A minha comunidade precisa poder comprar o brinquedo, senão não faz sentido”, disse Buck no vídeo.