GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Viver em trânsito

Gastar mais de 3 horas por dia indo e voltando do trabalho é a rotina de quem mora muito longe do emprego

Texto Vitor Leal Pinheiro

Eles passam mais de 3 horas por dia indo de casa para o trabalho e de volta para casa. Muitos saem quando o Sol nasce e só retornam de noite. É comum encontrá-los dormindo em trens e ônibus. São os extreme commuters, termo difícil de traduzir, mas que significa algo como pessoas que viajam mais de uma hora e meia para chegar ao trabalho.

Nos EUA, são cerca de 3,5 milhões de pessoas, quase o dobro de 10 anos atrás, segundo o último censo do governo. A tendência aumenta por causa do preço dos imóveis, que triplicou desde os anos 80. É comum que o americano resolva morar mais longe para conseguir ter uma casa grande, com quintal , gramado e churrasqueira.

Em São Paulo, o tempo médio gasto pelo paulistano no percurso casa-trabalho-casa já é de duas horas, e vem aumentando nos últimos anos. Muita gente passa 3, 4 ou mais horas só para chegar e começar a jornada de trabalho.

Isso significa menos tempo com a família e amigos, menos lazer e mais estresse. Por isso, muitas dessas pessoas costumam criar formas de não desperdiçar esse tempo. Há os que dormem no ônibus, ouvem música, escutam audiolivros ou assistem TV. Outros evitam o horário do rush indo para a academia, fazendo cursos ou curtindo um happy hour.

Quem vai de carro investe em itens de conforto, como porta-copos e bancos luxuosos. A Fiat chegou a criar um carro com acesso ao MSN no painel de instrumentos. Alguns chegam a ler o jornal no anda-e-para dos congestionamentos. Vale tudo para ganhar um pouco de conforto e ter menos estresse no dia-a-dia das supercidades.


+ A cidade 20 minutos

Portland, que fica no Oregon (EUA), tem um apelido inusitado: a cidade dos 20 minutos. Isso porque qualquer trajeto dentro da região metropolitana pode ser realizado em pouco menos de meia hora, seja de bicicleta, seja de trem, de ônibus ou de carro.

Uma tendência que cresce na Europa e na Ásia é dos mega-commuters, pessoas que voam para o trabalho todo dia. Em 2016, 0 número de pessoas que trabalham na Inglaterra, mas moram em outro país, como França ou Espanha, deve chegar a 1,5 milhão. O que torna isso possível são as companhias aéreas baratas.