Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O hermano Hitler

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h46 - Publicado em 9 dez 2004, 22h00

Eduardo Szklarz

A conhecida relação entre a Argentina e o nazismo já rendeu ótimos livros de ficção e teorias conspiratórias. Mas até há pouco tempo, limites entre real e imaginário ainda eram turvos. A publicação de uma nova leva de documentos dissipou algumas dúvidas. Mostrou como as ligações batiam na cúpula argentina e tramavam planos que obrigariam brasileiros a torcer por Maradona.

Um mapa interceptado no Brasil durante a Segunda Guerra Mundial (ver abaixo) conta como a Alemanha dividiria a América do Sul se ganhasse o conflito. A revelação está em Crônica de uma Guerra Secreta, do ex-diplomata Sergio Corrêa da Costa. A expansão germânica por essas bandas alçaria a Argentina ao posto de reitora dos vizinhos – inclusive o Brasil.

A derrota alemã não pôs fim ao namoro. Em A Verdadeira Odessa, o jornalista Uki Goñi revela com detalhes o funcionamento da rede armada pelo presidente argentino Juan Domingo Perón para resgatar nazistas. As investigações em arquivos americanos e europeus mostram que o esquema teve ajuda do Vaticano e até da Cruz Vermelha para driblar o cerco aliado e levar criminosos de guerra para respirar os Buenos Aires.

A Verdadeira Odessa: O Contrabando de Nazistas para a Argentina de Perón

Uki Goñi

Record, 448 páginas, R$ 60

Crônica de uma Guerra Secreta

Sergio Corrêa da Costa

Record, 532 páginas, R$ 55

Continua após a publicidade

Brasil, capital Buenos Aires

Nazistas queriam reescrever o mapa da América do Sul

1 – Argentina

Fixação do Führer por sua pouca miscigenação, absorveria Uruguai, Paraguai, o sul da Bolívia, parte do Brasil e uma lasca do Chile para ter saída ao Pacífico. Seria o principal aliado alemão na região

2 – Nova Espanha

Reuniria Colômbia, Venezuela e Equador. Também abraçaria o Panamá e seu canal – a menina dos olhos dos estrategistas alemães

3 – Chile

Engoliria partes do Peru e da Bolívia. Além das riquezas minerais chilenas, Hitler cobiçava a passagem de sua frota pelo estreito de Magalhães, ligação entre o Pacífico e o Atlântico no sul do continente, que serviria de elo com os aliados japoneses em caso de conflito com os Estados Unidos

4 – Guianas

As três vizinhas se uniriam numa colônia da França, país que estava sob domínio alemão

5 – Brasil

Hitler planejava transformar “esse país mestiço e corrupto” num domínio alemão apoiado na colônia germânica do sul. O Brasil seria base para o Reich e ajudaria a deter a liderança americana. Mais preocupado com os comunistas, o governo Vargas fez vista grossa à ação de agentes alemães. Em 1942, quando o Brasil declarou guerra ao Eixo, a rede nazista depositou suas apostas na Argentina

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)