Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

A Praga que ficou na Idade Média

Kutná Hora, Boêmia Central, República Tcheca. Rica em prata no passado, foi devastada por tragédias. Hoje é um resquício do apogeu tcheco

Por Felipe van Deursen Atualizado em 31 out 2016, 18h25 - Publicado em 26 Maio 2014, 22h00

49,95° N 15,26° L

Kutná Hora cresceu graças a suas grandes minas de prata em uma época anterior às colônias da América. Com isso, estima-se que um terço da prata da Europa saía da cidade. O metal enriqueceu o antigo reino da Boêmia até o século 15, período em que a maioria dos prédios históricos da capital, Praga, foi construída. Assim, as minas ajudaram a forjar uma das mais lindas cidades do mundo – mas ela não reinava sozinha. Por três séculos, Kutná Hora foi uma rival à altura em importância cultural e econômica. Isso até os tempos de bonança acabarem, no século 16. A Boêmia foi anexada à poderosa Áustria, que reprimiu revoltas. A maior mina de prata foi destruída em uma inundação. Por fim, a peste, a Guerra dos Trinta Anos e um incêndio em 1770 acabaram com a cidade.

Pobre e largada, ela nunca voltou a ser o que era. Hoje na lista dos patrimônios da Unesco, Kutná Hora tem uma atmosfera sinistra: no outono, é possível andar pelas ruas sem cruzar com ninguém. E o que mais atrai visitantes à cidade, dominada pelo cheiro de tabaco de uma fábrica da Philip Morris, não é a catedral de Santa Bárbara e suas três torres em formato de lona de circo, mas o Ossuário de Sedlec. Nos tempos barra-pesada, morreu tanta gente que o cemitério não deu conta e o ossuário acumulou milhares de ossadas, largadas. Até que em 1870 um artesão decidiu fazer esculturas com os ossos. A atração reforça o clima lúgubre daqui. Dá frio na espinha. Sem multidões, sem vida cultural intensa, 500 anos de decadência pairam no ar numa beleza melancólica. É a cidade que poderia ser Praga. Mas não foi.

 

Trens e ônibus cobrem diariamente a distância de 70 km de Praga. É comum fazer bate-e-volta, mas, se você tiver tempo, passe a noite na cidade.

QUANDO

Na melhor época para ir a Praga: longe da muvuca do verão e do frio do inverno.

Continua após a publicidade

Publicidade
História
A Praga que ficou na Idade Média
Kutná Hora, Boêmia Central, República Tcheca. Rica em prata no passado, foi devastada por tragédias. Hoje é um resquício do apogeu tcheco

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade