Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Assista ao primeiro (e único) vídeo colorido de um lobo-da-tasmânia.

A espécie foi extinta em 1936. O vídeo do último animal vivo foi gravado em preto e branco – e agora ganhou vida graças a técnicas de colorização

Por Maria Clara Rossini 10 set 2021, 11h14

O lobo-da-tasmânia foi uma espécie de mamífero que viveu na Austrália até 85 anos atrás. Em também é conhecido como “tigre-da-tasmânia” em outras línguas, graças às listras que carrega na parte inferior das costas. Assim como os cangurus e coalas, o lobo-da-tasmânia era um marsupial – ou seja, tinha uma bolsa no abdômen onde carregava os filhotes. O último animal em cativeiro, chamado Benjamin, morreu no dia 7 de setembro de 1936, e a espécie foi declarada extinta.

A maioria das pessoas vivas hoje não teve a sorte de conhecer a espécie. O que restou foram algumas gravações curtas do animal, que totalizam três minutos de vídeo. Todos foram filmados em preto e branco, é claro, mas o National Film and Sound Archive da Austrália (NFSA) submeteu um dos trechos à colorização e divulgou o primeiro vídeo colorido do animal. Veja abaixo.

 

O tratamento foi feito pelo Composite Films, um estúdio especializado em colorizar arquivos em preto e branco. O vídeo de 80 segundos demorou mais de 200 horas para ser processado – mas o trabalho valeu a pena. Além da colorização, a qualidade da imagem também melhorou significativamente. O clipe foi gravado em 1933, mas poderia se passar por um vídeo caseiro dos anos 2000.

“Devido à resolução e qualidade da imagem, muito do pelo e cabelo precisou ser animado e detalhado”, diz Samuel François-Steininger, responsável pelo projeto. Em nota, ele também conta que se baseou em pinturas e na pelagem presente em museus para acertar a cor do lobo-da-tasmânia. O estúdio também usou inteligência artificial para deixar o movimento do animal mais fluido.

O vídeo foi divulgado no último dia 7 de setembro, que marca 85 anos da morte de Benjamin. Nessa data, é celebrado o Dia Nacional de Espécies Ameaçadas na Austrália, em homenagem ao último lobo-da-tasmânia. O intuito é trazer visibilidade para animais e plantas em risco de extinção.

Continua após a publicidade

Publicidade