Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Croácia: de onde vem o xadrez vermelho e branco, símbolo do país?

Conheça o rei que pode ter inspirado a criação da estampa e os detalhes sobre a formação do país – o próximo adversário do Brasil na Copa.

Por Leo Caparroz
Atualizado em 8 dez 2022, 01h01 - Publicado em 7 dez 2022, 20h32

Há mais do que futebol em época de Copa do Mundo. É tempo também, por exemplo, de entrar em o contato com diversas outras culturas e costumes. E a Croácia, adversária do Brasil na sexta-feira (09), chama a atenção por uma característica de seu uniforme: o xadrez vermelho e branco.

O xadrez croata, chamado também de šahovnica, faz parte do brasão de armas do país. Segundo o governo da Croácia, o brasão apareceu pela primeira vez na família dos Habsburgos em meados de 1515. A estampa, porém, já era usada em outros brasões da região.

Há uma lenda sobre a origem do símbolo croata – e que envolve o rei Stephen Držislav. Depois de ser capturado pelos venezianos em uma época de conflito, Držislav teria tido uma chance de se livrar – mas de uma forma incomum. Pietro Orseolo II, líder da República de Veneza, o desafiou para uma disputa de xadrez. Em disputa, a sua liberdade. Držislav venceu três partidas, foi solto e, assim, teria incorporado o xadrez como símbolo de seu país.

Cabides com camisetas estampadas de xadrez vermelho e branco.
(Wirestock/Getty Images)

Uma breve história da Croácia

Apesar da história ser apenas uma lenda, o rei Držislav existiu de fato. Ele governou a Croácia de 969 até 997 e foi um aliado do Império Bizantino em uma guerra contra o Império Búlgaro. Ao ajudar na vitória, o chefe do Império Romano do Oriente lhe concedeu controle sobre a região da Dalmácia, na costa leste do mar Adriático.

A Croácia viveu períodos turbulentos ao longo de sua história. A partir de 1102, a coroa passou para a dinastia húngara depois de uma crise na sucessão do trono. O país perdeu a Dalmácia para Veneza no século 15 e viu sua autonomia ameaçada com as invasões otomanas no século 16.

A dinastia dos Habsburgos (a mesma que deu início ao uso do brasão) só recuperou suas terras com tratados feitos com os otomanos na virada do século 17 para o 18. Com os venezianos, o acordo para reaver a Dalmácia rolou ao final das guerras napoleônicas com o Congresso de Viena, em 1815.

Em 1867, a Croácia passou a fazer parte do Império Austro-Húngaro. Mas essa união se quebrou quando o império acabou depois da Primeira Guerra Mundial, em 1918.

Com o fim da guerra, a Croácia se viu novamente ameaçada. Acontece que a Itália só se juntou aos Aliados (o lado vitorioso) sob uma condição: a de que ela ajudaria no confronto se territórios dos Habsburgos no mar Adriático fossem entregues à ela.

Continua após a publicidade

Da Iugoslávia aos dias de hoje

Foi nesse contexto que surgiu um “protótipo” de Iugoslávia. O Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos surgiu em 1918 como uma união do Reino da Sérvia, da Bulgária, Bósnia e Herzegovina, da Croácia e partes da Itália e Hungria. Onze anos mais tarde, em 1929, o nome seria oficialmente alterado para Reino da Iugoslávia (que significa “terra dos eslavos do sul”).

A Segunda Guerra Mundial bagunçou ainda mais o “estado croata”. A invasão alemã na região aproveitou descontentamento de alguns croatas com a união iugoslava para conseguir apoio ao regime nazista. A partir daí, o governo agiu brutalmente contra a minoria sérvia, na tentativa de criar uma república católica e totalmente croata: estima-se que de 350 mil a 450 mil pessoas tenham morrido em massacres e campos de concentração.

Depois da guerra, a Croácia se tornou uma união federativa da República Socialista Federativa da Iugoslávia. Nas décadas seguintes, descontentamentos com a distribuição de recursos entre os estados da união fizeram o governo iugoslavo conceder mais autonomia às unidades federativas – o que abriu portas para a futura independência.

Depois da morte de Tito, o líder político da Iugoslávia, em 1980, a situação política do país piorou. A independência croata foi declarada em 25 de junho de 1991 – e uma guerra se instaurou na região. De um lado, croatas pró-independência. Do outro, o exército iugoslavo (controlado pelos sérvios), que invadiu o país. O conflito só terminou em 1995, com a assinatura de acordos de paz entre os territórios. Mas não sem um saldo infeliz: 20 mil mortos e 400 mil desabrigados.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.