Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Equipe de busca acredita ter encontrado o avião perdido de Amelia Earhart

As imagens de sonar não são claras – e ainda não temos certeza se é o avião da pilota. Contudo, esse é um primeiro passo na investigação do desaparecimento misterioso.

Por Leo Caparroz
30 jan 2024, 18h31

Amelia Earhart foi a primeira mulher a cruzar o Oceano Atlântico pilotando um avião, sozinha. Ela realizou esse feito em 1928 e virou um grande símbolo da luta pela igualdade de gênero. Em 1937, ela se propôs a um desafio maior: dar uma volta ao mundo pelo céu. Infelizmente, essa aventura não teve um final feliz. Ela e seu navegador, Fred Noonan, desapareceram após um acidente no Pacífico. O motivo da queda ainda é desconhecido. Nem seu corpo nem o avião foram encontrados até hoje.

Contudo, um explorador oceânico acredita ter solucionado esse mistério: Tony Romeo, piloto e ex-oficial de inteligência da Força Aérea dos EUA, afirma ter encontrado os destroços do avião pilotado por Earhart no fundo do oceano, entre o Havaí e a Austrália.

Romeo era um investidor imobiliário que, em 2012, vendeu seus imóveis e gastou US$ 11 milhões para financiar uma expedição atrás dos vestígios do veículo. Ele comprou de equipamentos de alta tecnologia para auxiliar nas buscas, sob a empresa Deep Sea Vision.

Em setembro de 2023, uma equipe da empresa partiu de Kiribati, no Pacífico Sul, a bordo de um navio de pesquisa. Trabalhando em turnos de 36 horas, a tripulação de 16 pessoas usou um drone submarino equipado com sonar para vasculhar o fundo do mar, examinando cerca de 13,5 mil quilômetros quadrados.

Três meses depois do início da viagem, a equipe encontrou algo incomum. Ao revisar imagens feitas pelo sonar, eles notaram um objeto misterioso, com o formato e tamanho aproximado de um avião. O registro foi feito a cerca de 160 quilômetros da Ilha Howland, na região onde os especialistas acreditam que o avião de Earhart tenha caído. O objeto está a quase 5 quilômetros abaixo da superfície.

Continua após a publicidade

Naquela altura da viagem, porém, já era tarde e longe demais para retornar ao local e tentar fotos melhores, já que a equipe estava ficando sem recursos. Além disso, a câmera do drone estava quebrada, então, mesmo se voltassem, não conseguiriam fotos novas nem melhores.

As imagens de sonar foram postadas no Instagram da empresa.

“Em 2 de julho de 1937, Amelia Earhart e o navegador Fred Noonan decolaram de Papua Nova Guiné, aproximando-se do fim de sua jornada recorde ao redor do mundo para nunca mais serem vistos – até hoje. A Deep Sea Vision encontrou o que parece ser o Lockheed 10-E Electra de Earhart”, escrevem no post.

Imagem de sonar mostra o que poderia ser o avião que desapareceu durante o último vôo de Amelia Earhart em 1937
As três imagens de sonar divulgadas pela empresa em seu Instagram. O formato lembra um avião, e a proximidade com o suposto local do acidente aumenta as esperanças; contudo, não dá para ter certeza de se tratar da aeronave de Earhart. (Courtesia Deep Sea Visions/Reprodução)

“Esta talvez seja a coisa mais emocionante que farei na minha vida”, disse Romeo ao Wall Street Journal. “Sinto-me como uma criança de 10 anos em busca de tesouros.” Ele também afirma que a empresa vai procurar revisitar o local à procura de mais pistas – dessa vez, com câmeras, e não sonares.

Continua após a publicidade

Caso (ainda não) resolvido

Apesar da empolgação, as imagens do sonar não são suficientemente detalhadas para fazer quaisquer afirmações definitivas; pelo menos, por enquanto. Embora o formato lembre, sim, uma aeronave, um sonar não é 100% preciso – as imagens tem baixa resolução e não conseguem distinguir detalhes. Até que uma câmera visualize o objeto, não tem como ter certeza.

Idealmente, missões futuras devem procurar detalhes importantes para identificar o avião: o número de registro ou até mesmo dimensões e formas do modelo com mais clareza. Tudo isso pode ajudar a traçar correspondências com o modelo usado por Earhart.

Um primeiro passo importante foi dado. A próxima etapa é investigar mais a fundo e, quem sabe, resolver esse mistério aeronáutico de uma vez por todas.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.