Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Há cem anos, jornais americanos faziam propaganda para vender… eletricidade

Mesmo 40 anos após o surgimento da energia elétrica, algumas pessoas ainda tinham que ser convencidas sobre as vantagens de usá-la nas fábricas.

Por Maria Clara Rossini
20 jun 2023, 17h24

Se você não consegue viver sem seu celular hoje, imagine só ficar sem geladeira ou luz durante a noite. Essa era a realidade de muitas cidades há apenas cem anos. Thomas Edison criou a lâmpada elétrica em 1879, e a primeira usina de energia elétrica em 1882. A primeira conta de luz da história foi enviada para uma empresa de latão e cobre de Nova York, no valor de U$ 50,40 (equivalente a mais de U$ 1.000 em valores atuais).

Ter energia em casa ou em indústrias era caro, e nem todo mundo estava convencido de que o investimento valia a pena. Mesmo em 1920, 40 anos após a introdução da energia elétrica nos Estados Unidos, o jornal New York Tribune publicava propagandas sobre os benefícios da eletricidade. A página abaixo circulou no dia 5 de outubro de 1920.

Cartaz publicada pelo New York Tribune em 5 de outubro de 1920, explicando os benefícios da eletricidade.
(Library of Congress/Reprodução)

“Nunca antes as questões de economia e eficiência na produção foram de tamanha importância quanto agora na vida industrial do país. Isso é verdade tanto para as grandes plantas quanto para as pequenas lojas. A eletricidade está provando ser a agência mais efetiva para solucionar diversos problemas à medida que aparecem”.

O anúncio ainda mostra alguns dos usos úteis da eletricidade em fábricas: iluminação adequada para evitar acidentes; ventilação elétrica; e redução do trabalho exaustivo. As imagens mostram equipamentos elétricos como impressoras, cortador de tecido e geladeiras.

Continua após a publicidade

Quem colocava essas propagandas nos jornais era a New York Edison Company – companhia de energia elétrica que funciona até hoje sob o nome Consolidated Edison. Ao final do anúncio, a empresa lista endereços onde os visitantes podem ver as máquinas elétricas em funcionamento.

O blog da Biblioteca do Congresso, onde está o jornal histórico, diz que “em 1920, a eletricidade ainda era tão nova que a New York Edison não tinha apenas que convencer os consumidores a comprar deles especificamente, mas de comprar o produto [a eletricidade] no geral”. E ainda escreve que “ainda existiam algumas pessoas que precisavam ser convencidas de que a eletricidade era mais do que uma mania passageira”.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.