Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Humanos desistiram da poligamia por causa de DSTs, diz estudo

A monogamia só prevaleceu quando ter vários parceiros virou tabu associado a doença

Por Ana Carolina Leonardi
Atualizado em 31 out 2016, 19h01 - Publicado em 12 abr 2016, 19h15

A monogamia nem sempre foi a forma mais comum de relacionamento: mais de 80% das sociedades humanas já foram poligâmicas. A mudança para uma vida de fidelidade a dois, sem mais ninguém, veio junto com a agricultura, quando as pessoas começaram a se aglomerar em civilizações. E contou com um empurrãozinho cruel do destino: as doenças sexualmente transmissíveis. A poligamia potencializava a disseminanação dessas doenças e reduzia a população.

É o que diz um estudo de pesquisadores da Universidade de Waterloo, no Canadá. Eles criaram modelos computacionais para calcular a relação entre o tipo de relacionamento predominante, a incidência de DSTs (clamídia, gonorreia e sífilis) e a variação no tamanho da população ao longo de 30 mil anos.

Em mais de 2 mil simulações, perceberam que, quanto maior a população, pior era o surto desses tipos de doenças nas comunidades poligâmicas. Ou seja: como a galera transava com mais gente, a doença se espalhava muito mais.

Eles só chegaram a essa conclusão com a ajuda de um dado importante: a variação populacional. Como essas doenças causam infertilidade, o número da população começava a cair. Aí eles começaram a perceber que era mais negócio viver com uma pessoa só – por questão de sobrevivência mesmo. 

Mais do que isso: provavelmente passaram a expulsar e punir os poligâmicos. Em uma das simulações, os pesquisadores avaliaram as comunidades que reprimiam relacionamentos abertos. E foi a mais  “vitoriosa”: a comunidade mantinha os melhores níveis de fertilidade e durava mais tempo.

Continua após a publicidade

LEIA: Monogamia – Monotonia?​

Mas essa mudança aconteceu só depois da popularização da agricultura. Enquanto eram caçadores-coletores, as comunidades eram menores. E os parceiros sexuais variavam bem menos – logo, o risco de pegar alguma DST era menor.

A pesquisa ajuda, então, a explicar como a monogamia se tornou um padrão social tão forte, associada à propagação de doenças. E explica como muitas das nossas regras sociais têm origem em fenômenos naturais. Ter vários amores só passou a ser considerado “imoral” quando as DSTs começaram a atrapalhar a vida – e a tornar os relacionamentos abertos um problema de verdade.

LEIA TAMBÉM:
– Monogamia não faz sentido
– As verduras, o homem e a monogamia
– E se… não existisse a monogamia?

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.