Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Paga quem polui

Outra forma de obter os créditos é patrocinar diretamente iniciativas ambientais que visem a reduzir a emissão de gás carbônico.

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h24 - Publicado em 31 out 2002, 22h00

André Muggiati

Com a assinatura de Rússia e Canadá, a expectativa acerca do funcionamento do Protocolo de Kyoto tomou novo fôlego, especialmente no que diz respeito aos mecanismos de controle da emissão de carbono na atmosfera. Pelo acordo, as empresas sediadas nos 39 países obrigados a diminuir sua emissão poderão continuar a fazê-lo em troca de financiamentos à geração de energia renovável ou ao replantio de florestas nos países em desenvolvimento – os chamados projetos de emissão evitada. Em 2012, quando o protocolo prevê um acerto de contas do compromisso de reduzir em 5,2% as emissões em relação aos níveis de 1990, quem possuir esses títulos poderá usá-los para abater uma parte do déficit.

O chamado mercado de carbono funciona assim: a diretoria da CDM (sigla em inglês para Mecanismo de Desenvolvimento Limpo), formada por representantes dos países signatários de Kyoto, avalia a quantidade de carbono que deixará de ser lançada no ambiente. Esse volume é que vai determinar a quantos créditos as empresas investidoras terão direito, ou seja, quanto dióxido de carbono elas podem lançar na atmosfera. Quem quiser poluir mais tem que comprar créditos de quem está poluindo menos que a sua cota. Os projetos certificados pelo CDM emitirão títulos negociáveis nas bolsas de valores. Todo o processo será acompanhado por auditores independentes.

O Banco Mundial vem testando esse modelo há dois anos, com a operação do PCF (versão em inglês para o Protótipo do Fundo de Carbono – http://www.prototypecarbonfund.org). O fundo, com captações da ordem de 180 milhões de dólares até hoje, já financiou 14 compras de lotes de carbono e vai adquirir mais oito, até o final deste ano. A tonelada de carbono está custando, atualmente, cerca de 5 dólares. Os valores aplicados até agora foram responsáveis por uma emissão evitada de 36 milhões de toneladas de gás na atmosfera. Ou seja: para poluírem o ar nos países mais ricos, as empresas têm que ajudar a limpar o céu dos países mais pobres. Os projetos foram financiados no Chile, Uganda, Lituânia, África do Sul e Usbequistão, entre outros. O Brasil anunciou um acordo com a Alemanha para a substituição de gasolina por álcool como combustível, numa espécie de reedição do Proálcool. O projeto é um dos primeiros a captar recursos do mercado de carbono no país.

Outra forma de obter os créditos é patrocinar diretamente iniciativas ambientais que visem a reduzir a emissão de gás carbônico. A montadora francesa Peugeot alocou 11 milhões de dólares no projeto do Poço de Carbono, na região de Juruena (MT), com o objetivo de reconstituir a biodiversidade numa área de cerca de 12 mil hectares. O trabalho se estenderá por 40 anos e dará à empresa um crédito de emissão de 183 mil toneladas do gás, por ano.

A compra e venda já começou

Conheça alguns projetosfinanciados pelo Fundo de Carbono do Banco Mundial

País – CHILE

Projeto – Energia renovável de Chacabuquito

Descrição – Substituição da energia gerada por carvão e gás por fontes de energia renovável a um custo menor

Investimento – US$ 3,5 milhões

Emissão evitada (em 20 anos) – 2,8 milhões de toneladas

Continua após a publicidade

País – UGANDA

Projeto – Energia hidrelelétrica a oeste do rio Nilo

Descrição – O aproveitamento do potencial hidrelétrico do Nilo permitirá a substituição de usinas de geração termelétrica a petróleo, grandes emissoras de CO2

Investimento – US$ 3 milhões

Emissão evitada (em 20 anos) – 2 milhões de toneladas

País – USBEQUISTÃO

Projeto – Aquecimento do distrito de Tashkent

Descrição – A modernização do sistema de aquecimento da cidade também permitirá menos emissões

Investimento – US$ 6,8 milhões

Emissão evitada (em 20 anos) – 4 milhões de toneladas

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)